CARACTERIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA E ESPACIAL DOS ÓBITOS POR DOENÇA FALCIFORME EM CRIANÇAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, BRASIL

  • Meirielli Bruzeguini Universidade Federal do Espírito Santo https://orcid.org/0000-0001-5711-9537
  • Lorena Barros Furieri Universidade Federal do Espírito Santo
  • Maria Carmen Viana University of London
  • Eliana Zandonade Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Anemia falciforme, Mortalidade, Registros de mortalidade, Triagem neonatal, Atestado de óbito

Resumo

Este estudo analisa as causas da mortalidade e a distribuição espacial dos óbitos ocorridos por doença falciforme (DF) no estado do Espírito Santo (ES), Brasil, entre os nascidos vivos (NV) durante o período de 2001 a 2013. Trata-se de um estudo epidemiológico de análise de dados secundários, extraídos do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), do Programa de Triagem Neonatal do ES (PTN-ES) e do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC). No período, foram registrados 649.187 NV, dos quais 86,3% foram testados pelo PTN. Dentre esses, 339 foram positivos para DF, com um coeficiente de incidência de 60,5/100 mil NV. Desses, 59,3% apresentaram genótipo HbFS, e 29,2% HbFSC. Foram identificados 31 óbitos no SIM, sendo 83,9% por DF e agravos relacionados e 16,1% sem DF declarada como causa de morte, porém ocorridos em crianças que haviam sido diagnosticadas com DF pelo PTN. A taxa de mortalidade total por DF foi de 4,8/100 mil NV, sendo 4,6 vezes maior entre as crianças não testadas pelo PTN em comparação àquelas que foram testadas, com taxas de 14,6/100 mil e 3,2/100 mil, respectivamente. Os maiores índices de óbito foram registrados nas áreas metropolitanas e litorânea do estado, sendo 64,5% do sexo masculino e 58,1% com idade entre 1 e 5 anos. Apesar da cobertura do PTN-ES estar acima da média nacional, houve uma lacuna de cerca de 14% na triagem dos NV, com taxas mais elevadas de óbito entre as crianças que não foram testadas. Tais achados enfatizam a importância da triagem neonatal para melhor sobrevida dos afetados pela DF.

Biografia do Autor

Meirielli Bruzeguini, Universidade Federal do Espírito Santo

Médica pediatra. Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva. Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Lorena Barros Furieri, Universidade Federal do Espírito Santo

Enfermeira. Doutora em Ciências Fisiológicas pela UFES. Professora Adjunto do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Maria Carmen Viana, University of London

Médica psiquiatra. Doutora em Psiquiatria pela University of London, Inglaterra. Professora Adjunto do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Medicina Social. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Eliana Zandonade, Universidade de São Paulo

Matemática e estatística. Doutorado em Estatística Universidade de São Paulo. Professora titular do Departamento de Estatística da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Referências

Herrick JB. Peculiar elongated and sickle-shaped red blood corpuscles in a case of severe anemia. Arch Intern Med. 1910;6(5):517-21.

Piel FB, Hay SI, Gupta S, Weatherall DJ, Williams TN. Global Burden of Sickle Cell Anaemia in Children under Five, 2010-2050: Modelling Based on Demographics, Excess Mortality, and Interventions. PLoS Med. 2013;10(7):e1001484.

Ware RE, Montalembert M, Tshilolo L, Abboud MR. Sickle cell disease. Lancet. 2017;390(10091):311-23.

Lettre G, Bauer DE. Fetal haemoglobin in sickle-cell disease: from genetic epidemiology to new therapeutic strategies. Lancet. 2016;387(10037);2554-64.

Lopez FA, Campos Junior D, Burns DAR. Tratado de Pediatria. 3ª ed. Sociedade Brasileira de Pediatria, editor. Barueri (SP): Manole; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Manual de doenças mais importantes, por razões étnicas, na população brasileira afro-descendente. Brasília (DF); 2001. (Série A. Normas e Manuais Técnicos, n. 123)

Serjeant GR. The natural history of sickle cell disease. Cold Spring Harb Perspect Med. 2013;3(10):a11783.

Hassel KL. Population estimates of sickle cell disease in the U.S. Am J Prev Med. 2010;38(4):512-21.

Piel FB, Patil AP, Howes RE, Nyangiri OA, Gething PW, Williams TN, et al. Global distribution of the sickle cell gene and geographical confirmation of the malaria hypothesis. Nat commun. 2010;1(104):1-7.

Ahmed S, Salee M, Modell B, Petrou M. Screening extended families for genetic hemoglobin disorders in Pakistan. N Engl J Med. 2002;347(15):1162-8.

Therrell BL, Adams J. Newborn screening in North America. J Inherit Metab Dis. 2007;30(4):447-65.

Cançado RD, Jesus JA. A doença falciforme no Brasil. Rev Bras Hematol Hemoter. 2007;29(3):203-6.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 822, de 06 de junho de 2001. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2001 jun 7. Seção 1.

Brasil. Portal Brasil. Cobertura neonatal do SUS cresce de 50% para 83% em 12 anos. [Internet]. 2012 jun 6 [citado em 2015 jun 3]. Disponível em: https://web.archive.org/web/20150424041733/http://www.brasil.gov.br/saude/2012/06/cobertura-neonatal-do-sus-cresce-de-50-para-83-em-12-anos

Loeber G. Neonatal screening in Europe: the situation in 2004. J Inherit Metab Dis. 2007;30(4):430-8.

Couque N, Girard D, Ducrocq R, Boizeau P, Haouari Z, Missud F, et al. Improvement of medical care in a cohort of newborns with sickle- cell disease in North Paris: Impact of national guidelines. Br J Haematol. 2016;173(6):927-37.

Sabarense AP, Lima GO, Silva LML, Viana MB. Characterization of mortality in children with sickle cell disease diagnosed through the Newborn Screening Program. J Pediatri (Rio J). 2015;91(3):242-7.

Fernandes APPC, Januario JN, Cangussu CB, Macedo DL, Viana MB. Mortalidade de crianças com doença falciforme: um estudo de base populacional. J Pediatri (Rio J). 2010;86(4):279-84.

Felix AA; Souza HM; Ribeiro SBF. Aspectos epidemiológicos e sociais da doença falciforme. Rev Bras Hematol Hemoter. 2010;32(3):203-208.

Manci EA, Culberson DE, Yang YM, Gardner TM, Powell R, Haynes Jr J, et al. Causes of death in sickle cell disease: an autopsy study. Br J Haematol. 2003;123(2):359-65.

McGann PT. Sickle cell anemia: an underappreciated and unaddressed contributor o global childhood mortality. J Pediatr. 2014;165(1):18-22.

Payne AB, Mehal JM, Chapman C, Haberling DL, Richardson LC, Bean CJ, et al. Mortality trends and causes of death in person with sickle cell disease in the United States, 1979-2014. Blood. 2017;130(Supl. 1):865.

Ishitani LH, Teixeira RA, Abreu DMX, Paixão LMMM, França EB. Qualidade da informação das estatísticas de mortalidade: códigos garbage declarados como causas de morte em Belo Horizonte, 2011-2013. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(Supl. 1):34-45.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010 [Internet]. 2010 [citado em 2011 mai 2]. Disponível em: htt://www.censo2010.ibge.gov.br/

Publicado
2019-11-01
Seção
Artigos originais de temas livres