SÍNDROMES HIPERTENSIVAS NA GESTAÇÃO: PERFIL CLÍNICO MATERNO E CONDIÇÃO NEONATAL AO NASCER

  • Lhayse dos Santos Lopes Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas
  • Alba Maria Bomfim de França Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas https://orcid.org/0000-0001-9474-7137
  • Aldrya Ketly Pedrosa Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas
  • Ana Paula Miyazawa Centro Universitário Tiradentes
Palavras-chave: Enfermagem obstétrica, Enfermagem neonatal, Complicações na gravidez, Hipertensão gestacional

Resumo

Este trabalho tem como objetivo identificar o perfil clínico de mulheres com Síndromes Hipertensivas na Gestação (SGH) e seus neonatos, caracterizando o perfil sociodemográfico e obstétrico materno, além de descrever as condições clínicas neonatais ao nascer. Trata-se de um estudo descritivo, transversal, com abordagem quantitativa, a partir de 190 prontuários de mulheres que tiveram seus partos realizados em duas maternidades referência para alto risco em Alagoas, Brasil, e seus respectivos neonatos. Identificou-se que as mulheres eram jovens, pardas, multíparas, com parto a termo por cesariana. A SHG mais encontrada foi a pré-eclâmpsia; também foram encontrados casos de eclampsia e síndrome HELLP. Os neonatos nasceram com peso adequado para a idade gestacional (AIG) e índice de Apgar ≥ 7, sendo que 52,63% apresentaram intercorrência ao nascer, dentre elas, a síndrome do desconforto respiratório. A partir dos dados encontrados, considera-se que o perfil clínico e obstétrico materno é prejudicado, porém, o desfecho neonatal foi considerado positivo frente a essa patologia. Por isso a importância da assistência pré-natal qualificada, minimizando riscos e evitando complicações por meio de medidas preventivas.

Biografia do Autor

Lhayse dos Santos Lopes, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

Enfermeira. Especialista em Neonatologia. Maceió, Alagoas, Brasil.

Alba Maria Bomfim de França, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

Enfermeira. Doutoranda em sociedade, tecnologias e políticas públicas no Centro Universitário Tiradentes. Docente na Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas Maceió, Alagoas, Brasil.

Aldrya Ketly Pedrosa, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

Enfermeira. Mestra em ensino na saúde. Docente na Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas. Maceió, Alagoas, Brasil.

Ana Paula Miyazawa, Centro Universitário Tiradentes

Enfermeira. Doutoranda em sociedade, tecnologias e políticas públicas. Docente no Centro Universitário Tiradentes. Maceió, Alagoas, Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília (DF); 2013. (Cadernos de atenção primária, n. 37)

Rezende JF, Montenegro CAB. Obstetrícia fundamental. 12a ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília (DF); 2012. (Cadernos de atenção primária, n. 32)

Moura ERF, Oliveira CGS, Damasceno AKC, Pereira MMQ. Fatores de risco para síndrome hipertensiva específica da gestação entre mulheres hospitalizadas com pré-eclâmpsia. Cogitare Enferm. 2010;15(2):250-5.

Lopes G, Oliveira M, Silva K, Silva I, Ribeiro AP. Hipertensão gestacional e a síndrome HELLP: ênfase nos cuidados de enfermagem. Rev Augustus. 2013;18(36):77-89.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. 5a ed. Brasília (DF); 2010.

Gomes AS, Chaves AFL, Silva RB, Damasceno AKC, Franco RGFM, Oriá MOB. Análise dos níveis pressóricos em gestantes no diagnóstico precoce da síndrome hipertensiva gestacional. Rev Eletr Enf. 2013;15(4):923-31.

Silveira MF, Victora CG, Barros AJD, Santos IS, Matijasevich A, Barros FC. Determinantes de nascimento pré-termo na coorte de nascimentos de 2004, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2010;26(1):185-94.

Silva VTS. Doença hipertensiva específica da gestação (DHEG): repercussão no recém-nascido [monografia]. Campina Grande (PB): Universidade Estadual da Paraíba; 2016.

Alexandre LAC, Sousa GP, Silva LA, Noronha Neto C, Costa AAR. Fatores associados às síndromes hipertensivas em puérperas internadas no hospital Dom Malan em Petrolina-PE: Estudo de Caso-Controle. Id on Line Rev Mult Psic. 2017;11(37):329-47.

Silva FRR. Fatores associados à hipertensão na gravidez [monografia] [Internet]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2015 [citado em 2018 jan 21]. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/18243

Cruz AFN, Vieira BDG, Queiroz ABA, Alves VH, Rodrigues DP, Santos KM. Morbidade materna pela doença hipertensiva específica da gestação: estudo descritivo com abordagem quantitativa. J res.: fundam care online 2016;8(2):4290-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Diretrizes de Atenção à Gestante: a operação cesariana [Internet]. Brasília (DF); 2016 [citado em 2018 mar 23]. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Consultas/Relatorios/2016/Relatorio_Diretrizes_Cesariana_N179.pdf

Antunes MB, Demitto MO, Gravena AAF, Padovani C, Pelloso SM. Síndrome hipertensiva e resultados perinatais em gestação de alto risco. REME Rev Min Enferm. 2017;21:e-1057.

Klein CJ, Madi JM, Araujo BF, Zatti H, Bosco DSD, Henke CN, et al. Fatores de risco relacionados à mortalidade fetal. Rev AMRIGS. 2012;56(1):11-6.

Lucheta TGP. Doenças respiratórias neonatais em prematuros de mães hipertensas e normotensas [dissertação] [Internet]. Botucatu (SP): Universidade Estadual Paulista; 2011 [citado em 2018 mar 30]. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/99232/lucheta_tgp_me_botfm.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Kiy AM, Rugolo LM, Luca AK, Corrente JE. Crescimento de prematuros de baixo peso até a idade de 24 meses corrigidos: efeito da hipertensão materna. Jornal de Pediatria. 2015;1(3):256-62.

Erthal VA, Grafen BVV, Gomes JS, Lorenzoni AMC, Ferreira PF, Strassburger SZ. Perfil e caracterização dos prematuros internados em uma unidade de terapia intensiva do noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Salão do Conhecimento. 2017, Ijuí (RS). Ijuí (RS); Unijuí; 2018.

Publicado
2019-11-01
Seção
Artigos originais de temas livres