Estudo sobre a qualidade da água para consumo humano e as doenças diarreicas no Brasil

Palavras-chave: Diarreia aguda, Qualidade da água, Saneamento básico

Resumo

A doença diarreica aguda (DDA) está entre as mais comuns no mundo, acometendo pessoas de todas as idades, mas causando óbitos principalmente em crianças. É a segunda causa de morte em crianças nos países subdesenvolvidos devido à dificuldade de acesso à água potável e à ausência de saneamento básico. A quantidade e qualidade da água disponível relacionam-se à qualidade de vida dos seres humanos. Nas últimas décadas, verifica-se um declínio no número de mortes por diarreia no mundo e no Brasil. Objetivou-se com esse trabalho analisar a relação da qualidade da água de consumo e as doenças diarreicas agudas no país. Foram avaliados estudos sobre o tema e exposição dos direcionamentos de ações futuras que podem impactar positivamente na redução da doença. O método utilizado foi a revisão de literatura a partir das bases de dados MedLine, SciELO e Lilacs, focada em estudos observacionais correlacionando qualidade da água e saneamento básico com prevalência dos casos de diarreia aguda. A maioria dos artigos demonstrou que investimentos em saneamento básico apresentam bons resultados, e que fatores socioeconômicos influenciam no risco de adoecimento. Sendo assim, maiores investimentos e ampliação das ações de vigilância relacionada à água para consumo, com o padrão de potabilidade estabelecido na legislação, contribuem para a redução da ocorrência de doenças diarreicas.

Biografia do Autor

Bruno Oliveira Tokaia, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Bacharel em Farmácia. Mestrando no Programa de ensino em Saúde da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Servidor da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais. Teófilo Otoni, Minas Gerais, Brasil.

Alexandre Sylvio Costa, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Engenheiro Agrônomo. Doutor em Fitotecnia. Docente de Recursos Hídricos na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Teófilo Otoni, Minas Gerais, Brasil.

Referências

Teixeira JC, Gomes MHR, Souza JA. Análise da associação entre saneamento e saúde nos estados brasileiros – estudo comparativo entre 2001 e 2006. Eng Sanit Ambient. 2011;16(2):197 204.

Queiroz JTM. Água de consumo humano distribuída à população e ocorrência de diarréia: um estudo ecológico no município de Vitória/ES [dissertação] [Internet]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2006 [citado em 2018 jan 10]. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/MLMO-6XLHE8

Araújo GFR, Tonani KAA, Julião FC, Cardoso OO, Alves RIS, Ragazzi MF, et al. Qualidade físico-química e microbiológica da água para o consumo humano e a relação com a saúde: estudo em uma comunidade rural no estado de São Paulo. Mundo Saúde. 2011;35(1):98 104.

Queiroz JTM, Heller L, Silva SR. Análise da correlação de ocorrência da doença diarreica aguda com a qualidade da água para consumo humano no município de Vitória-ES. Saúde Soc. 2009;18(3):479 89.

Amaral LA, Nader Filho A, Rossi Junior OD, Ferreira FLA, Barros LSS. Água de consumo humano como fator de risco à saúde em propriedades rurais no estado de são Paulo. Rev Saúde Pública. 2003;37(4):510 4.

Pereira IV, Cabral IE. Diarréia aguda em crianças menores de um ano: subsídios para o delineamento do cuidar. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2008;12(2):224 9.

Meisen MN, Bohn N, Tavares LBB, Pinheiro A. Análise de correlação da ocorrência de Doenças Diarréicas Agudas (DDA) com a qualidade da água para consumo humano no município de Pouso Redondo-SC. Revista de Estudos Ambientais. 2011;13(2):57 67.

Joventino ES, Silva SF, Rogerio RF, Freita GL, Ximenes LB, Moura ERF. Comportamento da diarréia infantil antes e após consumo de água pluvial em município do semi-árido brasileiro. Texto Contexto Enferm. 2010;19(4):691 9.

Luna CF, Brito AM, Costa AM, Lapa MP, Flint JA, Marcynuk P. Impacto do uso da água de cisternas na ocorrência de episódios diarréicos na população rural do agreste central de Pernambuco, Brasil. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2011;11(3):283 92.

Silva GAP, Lira PIC, Lima MC. Fatores de risco para doença diarréica no lactente: um estudo caso-controle. Cad Saúde Pública. 2004;20(2):589 95.

Teixeira JC, Heller L. Fatores ambientais associados à diarreia infantil em áreas de assentamento subnormal em Juiz de Fora, Minas Gerais. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005;5(4):449 55.

Moutinho FFB, Hacon SS, Bruno SF. Qualidade da água de abastecimento, Estratégia Saúde da Família e incidência de diarréia: uma abordagem em dois bairros do município de Paraty – RJ. Rev APS. 2009;12(2):187 93.

Priester F, Seidel MR. Avaliação da relação da qualidade microbiológica da água de consumo no município de Santa Cecília e doenças veiculadas por água contaminada. Ágora Rev Divulg Cient. 2009;16(2):446 54.

Moutinho FFB, Carmo RF. Doença diarreica e condições de saneamento da população atendida pelo Programa Saúde da Família no município de Lima Duarte-MG. Rev APS. 2011;14(1):19 27.

Rasella D. Impacto do Programa Água para Todos (PAT) sobre a morbi-mortalidade por diarreia em crianças do Estado da Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(1):40 50.

Imadai KS, Araújo TS, Muniz PT, Pádua VL. Fatores socioeconômicos, higiênicos e de saneamento na redução de diarreia na Amazônia. Rev Saúde Pública. 2016;50:50 77.

Libânio PAC, Chernicharo CAL, Nascimento NO. A dimensão da qualidade de água: Avaliação da relação entre indicadores sociais, de disponibilidade hídrica, de saneamento e de saúde pública. Eng SanitAmbient. 2005;10(3):219 28.

Barcellos CM, Rocha M, Rodrigues LS, Costa CC, Oliveira PR, Silva IJ, et al. Avaliação da qualidade da água e percepção higiênico-sanitária na área rural de Lavras, Minas Gerais, Brasil, 1999-2000. Cad Saúde Púbica. 2006;22(9):1967 78.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre normas de potabilidade de água para o consumo humano. Brasília (DF); 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Vigilância em Saúde Ambiental. Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à qualidade da água para consumo humano. Brasília (DF); 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretriz nacional do plano de amostragem da vigilância em saúde ambiental relacionada à qualidade da água para consumo humano. Brasília (DF); 2006.

Carmo RF. Vigilância epidemiológica e vigilância da qualidade da água para consumo humano. Desafios para o município: estudo de caso em Barbacena/MG. [dissertação] [Internet]. Viçosa (MG): Universidade Federal de Viçosa; 2005 [citado em 2018 jan 10]. Disponível em: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/5024

Publicado
2021-11-03
Seção
Artigo de Revisão