INFLUÊNCIA DA ANEMIA EM GESTANTES SOBRE O PESO AO NASCER: UM ESTUDO DA COORTE NISAMI

Palavras-chave: Anemia, Gestação, Nutrição, Baixo peso ao nascer

Resumo

O puerpério é um importante período para o desenvolvimento de ações pela equipe de saúde em busca de ampliar situações saudáveis para a mulher e seu filho. Nesse âmbito, o enfermeiro se destaca no cuidado à mulher na Atenção Primária à Saúde. Este estudo tem como objetivo analisar o papel do enfermeiro na visita domiciliar puerperal. Trata-se de uma pesquisa qualitativa exploratória descritiva, realizada em município polo da região norte do estado do Ceará, no ano de 2016, com 10 puérperas, por meio de entrevista semiestruturada individual. A análise temática otimizou o tratamento das informações, potencializada pela hermenêutica dialética. Foram construídas três categorias temáticas: prioridade para amamentação na visita domiciliar; vinculação entre o enfermeiro e a puérpera; o enfermeiro deve ampliar sua atuação na visita domiciliar puerperal. Considera-se, a partir dos resultados encontrados, que o domicílio é um espaço potente para a ampliação do papel do enfermeiro na atenção obstétrica, porém, a atuação deve ser norteada a partir da perspectiva da usuária e seus familiares.

Biografia do Autor

Moema de Souza Santana, Universidade Estadual Paulista "Júlio Mesquita Filho"

Nutricionista. Doutora em Alimentos e Nutricional. Gerente de Segurança Alimentar na Prefeitura Municipal de Araraquara, São Paulo, Brasil.

Adailton Alves da Costa Filho, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Bacharel em Saúde. Especialista em Gestão em Saúde. Graduando em Medicina na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

Cinthia Soares Lisboa, Universidade Estadual de Feira de Santana

Nutricionista. Mestre em Saúde Coletiva. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

Andressa Santos Viana, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Bacharel em Saúde. Graduando em Medicina na Universidade Federal da Bahia. Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Djanilson Barbosa dos Santos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Farmacêutico. Doutor em Saúde Pública. Professor adjunto da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

Referências

McLean E, Cogswell M, Egli I, Wojdyla D, Benoist B. Worldwide prevalence of anaemia, WHO Vitamin and Mineral Nutrition Information System, 1993-2005. Public Health Nutr. 2009;12(4):444-54.

Abduljalil K, Furness P, Johnson TN, Rostami-Hodjegan A, Soltani H. Anatomical, physiological and metabolic changes with gestational age during normal pregnancy: a database for parameters required in physiologically based pharmacokinetic modelling. Clin Pharmacokinet. 2012;51(6):365-96.

World Health Organization. Worldwide prevalence of anaemia 1993–2005: WHO global database on anemia. Genebra; 2008.

Noronha JA, Khasawneh EA, Seshan V, Ramasubramaniam S, Raman S. Anemia in pregnancy-consequences and challenges: a review of literature. Journal of SAFOG. 2012;4(1):64-70.

Kalaivani K. Prevalence & consequences of anaemia in pregnancy. Indian J Med Res. 2009;130(5):627-33.

Tourinho AB, Reis LBSM. Peso ao nascer: uma abordagem nutricional. Com Ciências Saúde 2013;22(4):19-30.

Mercuro G, Bassareo PP, Flore G, Fanos V, Dentamaro I, Scicchitano P, et al. Prematurity and low weight at birth asnew conditions predisposing to na increased cardiovascular risk. Eur J Prev Cardiol. 2012;20(2):357-67.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Santo Antônio de Jesus [Internet]. 2018 [citado em 2019 fev 5]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/santo-antonio-de-jesus/panorama

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento e Informática do Sistema Único de Saúde. DATASUS [Internet]. 2015 [citado em 2019 fev 5]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php

World Health Organization. International statistical classification of diseases and related health problems. 10a rev, v. 2. Genebra; 1992.

Santos EMF, Amorim LP, Costa OLN, Oliveira N, Guimaraes AC. Perfil de risco gestacional e metabólico noserviço de pré-natal de maternidade pública do Nordeste do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012;34(3):102-6.

Townsley DM. Hematologic complications of pregnancy. Semin Hematol. 2013;50(3):222-31.

Souza AI, Filho MB. Diagnóstico e tratamento das anemias carências na gestação: consenso e controvérsias. Rev Bras Saude Mater Infant. 2003;3(4):473-9.

Karaoglu L, Pehlivan E, Egri M, Deprem C, Gunes G, Genc MF, et al. The prevalence of nutritional anemia in pregnancy in an east Anatolian province, Turkey. BMC Public Health. 2010;10:329.

Taseer I, Safdar S, Mirbahar A, Awan Z. Anemia in pregnancy: related risk factors in under developed area. Professional Med J. 2011;18(1):1-4.

Pizzol TS, Giugliani ER, Mengue SS. Associação entre o uso de sais de ferro durante a gestação e nascimento pré-termo, baixo peso ao nascer e muito baixo peso ao nascer. Cad Saúde Pública. 2009;25(1):160-8.

Oliveira ACM, Barros AMR, Ferreira RC. Fatores de associados à anemia em gestantes da rede pública de saúde de uma capital do Nordeste do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2015;37(11):505-11.

Tapia MEL, Faleiro MLS, Gontijo MLBZ, Martins CS, Viana KA, Dusse LMS, et al. Prevalência de anemia nas gestantes atendidas no Sistema Único de Saúde. Secretaria Municipal de Saúde. Prefeitura de Belo Horizonte. Rev Bras Anal Clin. 2010;4:277-81.

Americo SCM, Ferraz FN. Prevalência de anemias em gestantes do município de Campo Mourão-PR entre os períodos de 2005 a 2008. Semina Cienc Biol Saude. 2011;32(1):59-68.

Pinho-Pompeu M. Perfil nutricional e prevalência de anemia em gestantes adolescentes [dissertação]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2016.

Lisboa CS, Bittencourt LJ, Santana JM, Santos DB. Assistência nutricional no pré-natal de mulheres atendidas em unidades de saúde da família de um município do Recôncavo da Bahia: um estudo de coorte. Demetra. 2017;12(3);713-31.

Chagas CB. Assistência Nutricional pré-natal na prevenção e controle da deficiência de vitamina A e anemia em gestantes [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo 2010 [Internet]. 2010 [citado em 2019 jun 10]. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html

Lucyk JM. Perfil antropométrico, consumo alimentar e concentração de hemoglobina em gestantes assistidas no hospital universitário de Brasília [dissertação]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – manual técnico. Brasília (DF); 2005.

Sclowitz IK.et al. Maternal smoking in successive pregnancies and recurrence of low birthweight: the 2004 Pelotas birth cohort study, Brazil. Cad Saúde Pública. 2013;29(1):123-30.

Araujo DMR. Fatores associados ao estado nutricional gestacional e desfechos perinatais em usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS), em dois municípios do estado do Rio de Janeiro (RJ) [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2012.

Franciotti DL, Mayer GN, Cancelier ACL. Fatores de risco para baixo peso ao nascer: um estudo de caso-controle. ACM Arq Catarin Med. 2010;39(3):63-9.

Bardou M, Crepon B, Bertaux AC, Godard-Marceaux A, Eckman-Lacroix A, Thellier E, et al. NAITRE study on the impact of conditional cash transfer on poor pregnancy outcomes in underprivileged women: protocol for a nationwide pragmatic cluster-randomised superiority clinical trial in France. BMJ Open. 2017;7(10):1-10.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF); 2004.

Publicado
2019-11-01
Seção
Artigos originais de temas livres