Mortalidade e internações por doenças cardiovasculares em municípios da Região Norte do Espírito Santo

Palavras-chave: Sistemas de informação em saúde, Mortalidade, Atenção primária à saúde, Doenças cardiovasculares

Resumo

O objetivo deste estudo foi descrever as taxas de mortalidade e de internação por doenças do aparelho circulatório, em municípios localizados na região norte do Espírito Santo. Foram utilizados dados do Sistema de Informação de Mortalidade e do Sistema de Informação de Internação Hospitalar, dos municípios de Conceição da Barra, Jaguaré, Pedro Canário e São Mateus, no período de 2004 a 2014. Verificou-se o aumento progressivo de mortes e internações por grupo de doenças do aparelho circulatório nos municípios estudados. O coeficiente de mortalidade mais elevado foi em Conceição da Barra (2010) por doença isquêmica do coração entre os homens, e em mulheres (2006) por doenças cerebrovasculares. Os mais elevados coeficientes de internação foram observados em São Mateus (2013) entre os homens, e em Pedro Canário (2014) entre as mulheres, ambos relacionados às doenças cerebrovasculares. Todos os municípios apresentam coeficiente de mortalidade e de internação elevados.

Biografia do Autor

Katiucia Vasconcelos de Medeiros

Enfermeira. Especialista em Epidemiologia. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Jordana Herzog Siqueira, Universidade Federal do Espírito Santo

Nutricionista. Doutoranda em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Espírito Santo. Bolsista da FAPES/CAPES. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Taísa Sabrina Silva Pereira, Universidad de las Américas Puebla

Nutricionista. Doutora em Saúde Coletiva. Professora na Universidad de las Américas Puebla. Cholula, Puebla, México.

Referências

Lessa I, Mendonça GAS, Teixeira MTB. Doenças crônicas não-transmissíveis no Brasil: dos fatores de risco ao impacto social. Bol Oficina Sanit Panam. 1996;120(5):389 413.

Di Cesare M, Khang YH, Asaria P, Blakely T, Cowan MJ, Farzadfar F, et al. Inequalities in non-communicable diseases and effective responses. Lancet. 2013;381(9866):585 97.

Malta DC. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):599 608.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS – DATASUS. Mortalidade hospitalar do SUS por local de internação – Brasil [Internet]. 2016 [citado em 2018 abr 6]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sih/cnv/niuf.def

Malta DC, Silva Jr JB. O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiol Serv Saúde. 2013;22(1):151 164.

Perk J, De Backer G, Gohlke H, Graham I, Reiner Z, Verschuren WM, et al. European Guidelines on cardiovascular disease prevention in clinical practice (version 2012): The Fifth Joint Task Force of the European Society of Cardiology and Other Societies on Cardiovascular Disease Prevention in Clinical Practice (constituted by representatives of nine societies and by invited experts). Eur Heart J. 2012;33(13):1635 701.

Goff DC Jr, Lloyd-Jones DM, Bennett G, Coady S, D’Agostino RB, Gibbons R, et al. 2013 ACC/AHA guideline on the assessment of cardiovascular risk: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. Circulation. 2014;129(25 Suppl 2):S49 73.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas. Brasília (DF); 2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde [Internet]. 2013 [citado em 2018 fev 24]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/pesquisa/47/48940

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Morbidade Hospitalar [Internet].2014 [citado em 2018 fev 24]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/pesquisa/17/15752

Pena PFA, Silva Júnior AG, Oliveira PTR, Moreira GAR, Libório AB. Cuidado ao paciente com doença renal crônica no nível primário: pensando a integralidade e o matriciamento. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):3135 44.

Bastos MG, Kirsztajn GM. Doença renal crônica: importância do diagnóstico precoce, encaminhamento imediato e abordagem interdisciplinar estruturada para melhora do desfecho em pacientes ainda não submetidos à diálise. J Bras Nefrol. 2011;33(1):93 108.

Lima CRA, Schramm JMA, Coeli CMS, Marinho ME. Revisão das dimensões de qualidade dos dados e métodos aplicados na avaliação dos sistemas de informação em saúde. Cad Saúde Pública. 2009;25(10):2095 109.

Bittencourt SA, Camacho LA, Leal MC. O Sistema de Informação Hospitalar e sua aplicação na saúde coletiva. Cad Saúde Pública. 2006;22(1):19 30.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS. DATASUS [Internet]. Brasília (DF): c2008 [citado em 2017 abr 17]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php

Garcia AL, França FAA, Santos TO, Cavaca AG, Emerich TB, Santos Neto ET. Índices notícia-morbidade e notícia-morte: relação entre o perfil de morbimortalidade da população e a divulgação midiática no Estado do Espírito Santo, Brasil, 2011-2012. Rev Bras Pesq Saúde. 2019;21(1):35 45.

Padua MA, Desidério F. Tendências da Taxa de Mortalidade por Doenças Cardiovasculares no Brasil, 1980-2012. Arq Bras Cardiol. 2016;107(1):20 5.

Lentsck MH, Latorre MRDO, Mathias TAF. Tendência Das Internações Por Doenças Cardiovasculares Sensíveis À Atenção Primária. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(2):372 384.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde: 2019 – Informações sobre domicílios, acesso e utilização dos serviços de saúde: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro (RJ); 2020.

Malta DC, Stopa SR, Szwarcwald CL, Gomes NL, Silva JJB, Reis AAC. A vigilância e o monitoramento das principais doenças crônicas não transmissíveis no Brasil – Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(Supl. 2):3 16.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde Brasil 2013: uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. Brasília (DF); 2014.

Garcia RML, Giro C, Alves TO, Cardoso ME, Silva LL, Sant’Anna LP, et al. Análise da mortalidade e das internações por doenças cardiovasculares em Niterói, entre 1998 e 2007. Arq Bras Cardiol. 2017;96(6):477 83.

Muller EV, Gimeno SGA. Mortalidade por doenças cardiovasculares segundo gênero e idade no Estado do Paraná, Brasil: 1979 a 1981 e 2006 a 2008. Cad Saúde Coletiva. 2015;23(1):11 6.

Soares GP, Klein CH, Silva NAS, Oliveira GMM. Evolução da Mortalidade por Doenças do Aparelho Circulatório nos Municípios do Estado do Rio de Janeiro, de 1979 a 2010. Arq Bras Cardiol. 2017;104(5):356 65.

Silva SSBE, Oliveira SFSB, Pierin AMG. O controle da hipertensão arterial em mulheres e homens: uma análise comparativa. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(1):50 8.

Assis LS, Stipp MAC, Leite JL, Cunha NM. A atenção da enfermeira à saúde cardiovascular de mulheres hipertensas. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(2):265 70.

Polanczyc CA. Fatores de risco cardiovascular no Brasil: os próximos 50 anos. Arq Bras Cardiol. 2005;84(3):199 201.

Santos RD, Gagliardi ACM, Xavier HT, Magnoni CD, Cassani R, Lottenberg AMP, et al. I Diretriz sobre o consumo de gorduras e saúde cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2013;100(1 Supl. 3):1 40.

Brasil. Ministério da Saúde. Protocolos de encaminhamento da atenção básica para a atenção especializada: Cardiologia. Vol. 2. Brasília (DF); 2016.

Evangelista MJO. Planificação da atenção à saúde uma proposta de gestão e organização da atenção ambulatorial especializada nas redes de atenção à saúde. Consensus. 2016;6(20):1 34.

Espírito Santo. Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo. Região Norte continua oficinas do projeto de Planificação da Atenção à Saúde [Internet]. 2016 [citado em 2017 abr 28]. Disponível em: http://saude.es.gov.br/Not%C3%ADcia/regiao-norte-continua-oficinas-do-projeto-de-planificacao-da-atencao-a-saude

Wister A, Loewen N, Kennedy-Symonds H, McGowan B, McCoy B, Singer J. One-year follow-up of a therapeutic lifestyle intervention targeting cardiovascular disease risk. CMAJ. 2007;177(8):859 65.

Cavagioni L, Pierin AMG. Risco cardiovascular em profissionais de saúde de serviços de atendimento pré-hospitalar. Rev Esc Enferm USP. 2017;46(2):395 403.

Campos AZ, Theme-Filha MM. Internações por condições sensíveis à atenção primária em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, 2000 a 2009. Cad Saúde Pública. 2012;28(5):845 55.

Brasil. Ministério da Saúde. Prevenção clínica de doença cardiovascular, cerebrovascular e renal crônica [Internet]. Brasília (DF); 2006 [citado em 2017 jul 3]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad14.pdf

Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretriz Brasileira sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose: departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2007;88(1):2 19.

Barbosa PH, Caldeira AP. Fatores de risco cardiovascular do Escore de Framingham entre hipertensos assistidos por equipes de Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(6):1731 9.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 116, de 11 de fevereiro de 2009. Regulamenta a coleta de dados, fluxo e periodicidade de envio das informações sobre óbitos e nascidos vivos para os Sistemas de Informações em Saúde sob gestão da Secretaria de Vigilância em Saúde. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2009 fev 12.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan: normas e rotinas [Internet]. Brasília (DF); 2006 [citado em 2009 out 14]. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/popup/07_0098.htm

Viacava F. Informações em saúde: a importância dos inquéritos populacionais. Ciênc Saúde Colet. 2002;7(4):607 22.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Veras CMT, Martins MS. A confiabilidade dos dados nos formulários de Autorização de Internação Hospitalar (AIH), Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 1994;10(3):339 55.

Melo ECP, Travassos C, Carvalho MS. Qualidade dos dados sobre óbitos por infarto agudo do miocárdio, Rio de Janeiro. Rev Saúde Pública. 2004;38(3):385 91.

Publicado
2021-11-03
Seção
Artigos originais de temas livres