FATORES ASSOCIADOS A ÓBITO E ABANDONO DE TRATAMENTO DOS CASOS NOVOS DE TUBERCULOSE EM SERGIPE, BRASIL

  • Matheus de Albuquerque Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Jamylle Souza Rodrigues Universidade Federal de Sergipe
  • Nadja Maria Queiroz de Albuquerque Universidade Estadual do Rio de Janeiro
  • Marco Aurélio de Oliveira Góes Universidade Federal de Sergipe
Palavras-chave: Epidemiologia, Tuberculose, Adesão à medicação, Letalidade, Vigilância epidemiológica

Resumo

O presente estudo objetiva identificar os fatores associados ao óbito e ao abandono de tratamento dos casos novos de tuberculose em Sergipe. Trata-se de um estudo longitudinal, tipo coorte histórica, a partir dos casos novos de tuberculose diagnosticados entre 2007 e 2016. Foram consideradas todas as formas de tuberculose identificadas em Sergipe, notificadas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação com desfecho definido (cura, óbito e abandono) até um ano após o diagnóstico. Foram registrados 5.989 casos novos de tuberculose, dos quais 95,4% foram incluídos no estudo, pois tinham seu encerramento como cura, óbito ou abandono. Desses, 79,3% obtiveram encerramento por cura, 12,6% por abandono e 8,1% por óbito. O abandono foi maior em homens (14,3%), nas faixas etárias de 20 a 39 anos (17,6%) e com o ensino fundamental incompleto (14,9%). A letalidade também foi maior em homens (9,2%). O Tratamento Diretamente Observado foi realizado em 52% dos casos, apresentando menores taxas de abandono (9,0%) e de óbito (6,0%). A coinfecção HIV/TB foi identificada em 4,9% dos casos, dos quais 22,7% abandonaram e 31,7% foram a óbito. Foram identificadas altas taxas de abandono e óbitos entre os casos novos de tuberculose, tendo algumas variáveis clínicas e sociodemográficas associadas aos diferentes desfechos. Compreender melhor os fatores que podem influenciar os diferentes desfechos é uma importante ferramenta, tanto no âmbito da clínica individual como nas ações de educação em saúde e planejamento de intervenções que busquem a melhoria da qualidade do acompanhamento das pessoas com tuberculose.

Biografia do Autor

Matheus de Albuquerque Santos, Universidade Federal de Sergipe

Médico. Residente de Cirurgia Geral. Aracaju, Sergipe, Brasil.

Jamylle Souza Rodrigues, Universidade Federal de Sergipe

Médica. Residente em Medicina de Família e Comunidade. Lagarto, Sergipe, Brasil.

Nadja Maria Queiroz de Albuquerque, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Enfermeira. Mestranda em Enfermagem com bolsa Capes na Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Marco Aurélio de Oliveira Góes, Universidade Federal de Sergipe

Médico. Doutor em Ciências da Saúde. Docente do Departamento de Medicina da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, Sergipe, Brasil.

Referências

Waldman EA, Sato APS. Path of infectious diseases in Brazil in the last 50 years: An ongoing challenge. Rev Saúde Pública. 2016;50:68.

World Health Organization. Global Tuberculosis Report 2017. Genebra; 2017.

Nliwasa M, MacPherson P, Mukaka M, Mdolo A, Mwapasa M, Kaswaswa K, et al. High mortality and prevalence of HIV and tuberculosis in adults with chronic cough in Malawi: a cohort study. Int J Tuberc Lung Dis. 2016;20(2):202-10.

Fogel N. Tuberculosis: A disease without boundaries. Tuberculosis (Edinb). 2015;95(5):527-31.

Rossetto M, Hesler LZ, Maffacciolli R, Rocha CMF, Oliveira DLLCD. Comunicação para promoção da saúde: as campanhas publicitárias sobre tuberculose no Brasil. Rev Enferm UFSM. 2017;7(1):18-28.

Macedo LM, Martin STF. Interdependência entre os níveis de atenção do Sistema Único de Saúde (SUS): Significado de integralidade apresentado por trabalhadores da Atenção Primária. Interface comun saúde educ. 2014;18(51):647-59.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Implantação do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil: primeiros passos rumo ao alcance das metas. 2018;49(11):1-18.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Panorama da tuberculose no Brasil: a mortalidade em números. Brasília (DF); 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças transmissíveis. Plano nacional pelo fim da tuberculose como problema de Saúde Pública. Brasília (DF); 2017.

Beraldo AA, Andrade RLP, Órfão NH, Silva-Sobrinho RA, Pinto ESG, Wysocki AD. Adherence to tuberculosis treatment in Primary Health Care: perception of patients and professionals in a large municipality. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2017;21(4):1-8.

Datasus. Tabwin, versão n 4.15. Brasília, DF: Datasus, 2016.

Dean AG, Sullivan KM, Soe MM. OpenEpi: Open Source Epidemiologic Statistics for Public Health, Versão 3,01. Atualizado em 2013 abr. 6 [citado em 2019 out. 30]. Disponível em: www.openepi.com

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 510, de 07 de Abril de 2016. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 2016 maio 24;98:44-6 [citado em 2019 abr 10]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Lönnroth K, Raviglione M. Global epidemiology of tuberculosis: prospect for control. Sem Respir Crit Care Med. 2008;29:481-91.

World Health Organization. Global tuberculosis report 2018. Genebra; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasil Livre da Tuberculose: evolução dos cenários epidemiológicos e operacionais da doença. Boletim Epidemiológico. 2019;50(9):1-18.

Hargreaves JR, Boccia D, Evans CA, Adato M, Petticrew M, Porter JDH. The social determinants of tuberculosis: from evidence to action. Am J Public Health. 2011;101(4):654-62.

Adane AA, Alene KA, Koye DN, Zeleke BM. Non-Adherence to Anti-Tuberculosis Treatment and Determinant Factors among Patients with Tuberculosis in Northwest Ethiopia. PLoS One. 2013;8(11):e78791.

Prado Junior JC, Medronho RA. Spatial analysis of the cure rate for tuberculosis in primary health care in the municipality of Rio de Janeiro between 2012 and 2014. bioRxiv. 2018:340752.

Rocha MS, Oliveira GPD, Aguiar FP, Saraceni V, Pinheiro RS. What are the causes of death of patients with tuberculosis: multiple causes of death in a cohort of cases and a research proposal of presumed causes. Cad saúde pública. 2015;31(4):709-21.

Kritski A, Andrade KB, Galliez RM, Maciel ELN, Cordeiro-Santos M, Miranda SS, et al. Tuberculosis: Renewed challenge in Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2018;51(1):2-6.

Thomas BE, Shanmugam P, Malaisamy M, Ovung S, Suresh C, Subbaraman R, et al. Psycho-socio-economic issues challenging multidrug resistant tuberculosis patients: a systematic review. PloS One. 2016;11(1):e0147397.

Di Gennaro F, Pizzol D, Cebola B, Stubbs B, Monno L, Saracino A, et al. Social determinants of therapy failure and multi drug resistance among people with tuberculosis: A review. Tuberculosis (Edinb). 2017;103:44-51.

Duarte R, Lönnroth K, Carvalho C, Lima F, Carvalho ACC, Munoz-Torrico M, et al. Tuberculosis, social determinants and co-morbidities (including HIV). Pulmonology. 2018;24(2):115-9.

Posada R, Tomás MC, Rezende DFAR. Parentalidades jovens, invisíveis e excluídas no cenário do “Prison Boom” brasileiro: características sócio-demográficas da população de pais e mães encarcerados na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Brasil – 2014. Anais do 20. Encontro Nacional de Estudos Populacionais; 2016 out 21-22; Foz do Iguaçu (PR). [Belo Horizonte (MG)]: Abep; 2017:1-21.

Cunha EAT, Marques M, Evangelista MDSN, Pompilio MA, Yassuda RTS, Souza ASD. A diagnosis of pulmonary tuberculosis and drug resistance among inmates in Mato Grosso do Sul, Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2018;51(3):324-30.

Ordem dos Advogados do Brasil. Sergipe. Comissão dos direitos humanos. Relatório do Sistema Prisional do Estado de Sergipe [Internet]. 2018 [citado em 2019 mai 12]. Disponível em: https://www.conjur.com.br/dl/sergipe-cinco-estados-maior-risco.pdf

Marques WTS, Lima WSS, Santana ACCS, Rocha VN, Fonseca ISF. Casos de tuberculose confirmados nos presídios e notificados no Sinan entre 2007 a 2012 em Sergipe. Anais do Congresso Nacional de Enfermagem; 2018 mai 7-11; Aracaju (SE). Aracaju (SE): Unit; 2018.

Paiva RCG, Nogueira JA, Sá LD, Nóbrega RG, Trigueiro DRSG, Villa TCS. Acessibilidade ao diagnóstico de tuberculose em município do Nordeste do Brasil: desafio da atenção básica. Rev Eletrônica Enferm. 2014;16(3):520-6.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Regionalização da assistência à saúde: aprofundando a descentralização com eqüidade no acesso: Norma Operacional da Assistência à Saúde: NOAS-SUS 01/01 e Portaria MS/GM n. 95, de 26 de janeiro de 2001 e regulamentação. Brasília (DF); 2001.

Wysocki AD, Ponce MAZ, Brunello MEF, Beraldo AA, Vendramini SHF, Scatena LM, et al. Atenção Primária à Saúde e tuberculose: avaliação dos serviços. Rev Bras Epidemiol. 2017;20:161-75.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília (DF); 2011

Publicado
2019-12-12
Seção
Artigos originais de temas livres