A FORMAÇÃO CONSTRUTIVISTA DE EDUCANDOS DE FARMÁCIA NA GESTÃO DO SUS: ABORDAGENS E CONTRIBUIÇÕES PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

  • Mila Silva Cunha Universidade Federal do Oeste da Bahia
  • Hudson Manoel Nogueira Campos Universidade Federal do Oeste da Bahia
  • Mússio Pirajá Mattos Universidade Federal do Oeste da Bahia
Palavras-chave: Sistema Único de Saúde, Comunicação interdisciplinar, Metodologia ativa, Filmes cinematográficos

Resumo

A educação construtivista é uma excelente alternativa para direcionar uma formação farmacêutica com as competências necessárias para atuar no âmbito da gestão do Sistema Único de Saúde (SUS). Este artigo tem como objetivo relatar a vivência do ambiente virtual como ferramenta de formação construtivista em saúde. Trata-se da experiência entre educador e educandos do curso de farmácia, com uso de metodologias ativas de ensino-aprendizagem baseadas no construtivismo. Em busca dessa construção, foi utilizado o webfólio como ferramenta de formação construtivista na disciplina práticas em saúde coletiva II: gestão. Assim, a proposta de utilização desse método é fundamentada à luz da obra de Paulo Freire em simbiose com Manoel de Barros. O processo de aprendizagem com a construção do webfólio e viagem educacional permitiu refletir sobre a realidade da nossa sociedade e a formação de agentes transformadores para gestão do SUS. Assim, os educandos foram empoderados e sensibilizados a seguir com o compromisso de reproduzir a corresponsabilidade no âmbito profissional, buscando a qualidade do atendimento com vistas à integralidade da assistência ao cuidado. A utilização dessas ferramentas foi assertiva por estimular uma formação por competências, interdisciplinaridade, interprofissionalidade, além de permitir nos maravilharmos com novas experimentações por meio de uma sociedade que muda permanentemente.

Biografia do Autor

Mila Silva Cunha, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Graduanda em Farmácia pela Universidade Federal do Oeste da Bahia, Barreiras, Bahia, Brasil.

Hudson Manoel Nogueira Campos, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Graduando em Farmácia pela Universidade Federal do Oeste da Bahia, Barreiras, Bahia, Brasil.

Mússio Pirajá Mattos, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Farmacêutico. Doutorando em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Espírito Santo. Docente do Centro das Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal do Oeste da Bahia. Barreiras, Bahia, Brasil.

Referências

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25a ed. São Paulo (SP): Paz e Terra; 1996.

Berbel NAN. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina Ciênc Soc Hum. 2011;32(1):25-40.

Paiva MRF, Parente JRF, Brandão IR, Queiroz AHB. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. Sanare. 2016;15(2):145-53.

Vasconcelos YL, Manzi SMS. Processo ensino-aprendizagem e o paradigma construtivista. Interfaces Cient. 2017;5(3):66-74.

Periotto MS. Interdisciplinaridade: didática, prática de ensino e direitos humanos? Rev Interdisciplin. 2015;(6);67-70.

Sousa IFS, Bastos PRHO. Interdisciplinaridade e formação na área de farmácia. Trab Educ Saúde. 2016;14(1):97-117.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES nº 2, 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2002 fev. Seção 1, p. 9.

Holliday OJ. Para sistematizar experiências. João Pessoa (PB): Ed. UFPB; 1996.

Mattos MP. Viagem educacional e oficinas temáticas como ferramentas de formação construtivista em psicofarmacologia clínica. RECIIS. 2018;12(4):478-88.

Mourthé CAJ, Lima VV, Padilha RQ. Integrating emotions and rationalities for the development of competence in active learning methodologies. Interfaces. 2018;22(65):577-88.

Lima EMFA, Yasui S. Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde Debate. 2014;38(102):593-606.

Alvarenga GM, Araújo ZR. Portfólio: conceitos básicos e indicações para utilização. Est Aval Educ. 2006;17(33):137-48.

Freire P. Educação e mudança. São Paulo (SP): Paz e Terra; 1999.

Barros M. Menino do mato. São Paulo (SP): Leya; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização – Humaniza SUS. Brasília (DF); 2013.

Barros M. Poesia completa. São Paulo (SP): Leya; 2011.

Chiavenato I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 4a ed. Barueri (SP): Manole; 2014.

Souto TS, Batista SH, Batista NA. A educação interprofissional na formação em psicologia: olhares de estudantes. Psicol Ciênc Prof. 2014;34(1):32-5.

Martins CC, Waclawovsky AJ. Problemas e desafios enfrentados pelos gestores públicos no processo de gestão em saúde. Rev Gest Sist Saúde. 2015;4(1):100-9.

Fekete MC. A qualidade na prestação do cuidado em saúde. Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde; 2000.

Freire P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro (RJ): Paz e Terra; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 198 de 13 de fevereiro de 2004. Instituição da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília (DF); 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? Brasília (DF); 2018.

Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre (RS): Rede Unida; 2014.

Barros M. Retrato do artista quando coisa. Rio de Janeiro (RJ): Record; 1998.

Batista RS, Gomes AP, Albuquerque VS, Cavalcanti FOL, Cotta RMM. Educação e competências para o SUS: é possível pensar alternativas à(s) lógica(s) do capitalismo tardio? Ciênc Saúde Colet. 2013;8(1):159-70.

Novikoff C, Cavalcanti MAP. Redes de saberes: pensamento interdisciplinar. Cad Pesqui Interdisciplin Ciênc Hum. 2016;17(110):42-51.

Barros M. Meu quintal é maior do que o mundo. Rio de Janeiro (RJ): Objetiva; 2015.

Publicado
2020-10-20
Seção
Relato de experiências