INOVAÇÃO TECNOLÓGICA APLICADA À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE: APLICATIVO DE BUSCA DE SERVIÇOS – MEUSUS

  • Mariana Silva Macedo Universidade Federal da Bahia
  • Kionna Bernardes dos Santos Universidade Federal da Bahia
  • Milena Maria Cordeiro de Almeida Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Projetos de tecnologia de comunicação e informação, Sistema Único de Saúde, Atenção básica à saúde

Resumo

O presente estudo trata de uma pesquisa piloto, de desenho transversal e caráter descritivo, com o objetivo de avaliar a frequência de uso e percepção de trabalhadores de saúde da atenção primária como usuários de um aplicativo móvel centralizador de informações da rede de serviços de saúde, em uma capital brasileira. O MeuSUS foi desenvolvido para smartphones com plataforma Android, com informações extraídas do Cadastro Nacional de Serviços de Saúde. O aplicativo foi disponibilizado para download para profissionais de saúde de uma Unidade de Saúde da Família, que após o uso da ferramenta, fizeram uma avaliação objetiva através de um questionário de usabilidade. Os dados das buscas do aplicativo também foram registrados para análise. As buscas principais envolveram serviços e Unidades de média e alta complexidade, expondo a necessidade de uma melhor organização, integração e comunicação entre a rede de serviços de saúde, especialmente entre os três níveis de Atenção. O aplicativo se mostrou prático, de fácil entendimento e utilização, porém possui limitações relacionadas à necessidade de atualização das informações da rede e melhor descrição dos serviços extraídos na fonte dos dados.

Biografia do Autor

Mariana Silva Macedo, Universidade Federal da Bahia

Fisioterapeuta. Especialista em Saúde da Família. Salvador, Bahia, Brasil.

Kionna Bernardes dos Santos, Universidade Federal da Bahia

Fisioterapeuta. Doutora em Saúde Pública. Professora Adjunta da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Milena Maria Cordeiro de Almeida, Universidade Federal da Bahia

Fisioterapeuta. Doutora em Saúde Coletiva. Professora adjunta do Departamento de Fisioterapia na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Política Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde [Internet]. Brasília (DF); 2010 [citado em 2018 jan 1]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_gestao_tecnologias_saude.pdf

Barbiani R, Junges JR, Nora CRD, Asquidamini F. A produção científica sobre acesso no âmbito do Sistema Único de Saúde no Brasil: avanços, limites e desafio. Saúde Soc. 2014;23(3):855-68.

Tibes CMS, Dias JD, Zem-Mascarenhas SH. Aplicativos móveis desenvolvidos para área de saúde no Brasil: revisão integrativa da literatura. Rev Min Enferm. 2014;18(2):471-8.

Barra CCD, Schuantes S, Sasso G, Winter CG. Métodos para desenvolvimento de aplicativos móveis em saúde: revisão integrativa da literatura. Texto & Contexto Enferm. 2017;26(4):e2260017.

Gava M, Ferreira LS, Palhares D, Mota ELA. Incorporação da tecnologia da informação na Atenção Básica do SUS no Nordeste do Brasil: expectativas e experiências. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(3):891-902.

Kalichman AO, Ayres JRCM. Integralidade e tecnologias de atenção à saúde: uma narrativa sobre contribuições conceituais à construção do princípio da integralidade no SUS. Cad Saúde Pública. 2016;32(8):e00183415.

Arantes LJ, Shimizu HE, Hamann EM. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(5):1499-1509.

Sanchez RM, Ciconelli RM. Conceitos de Acesso a Saúde. Rev Panam Salud Publica. 2012;31(3):260-8.

Lima SAV, Silva MRF, Carvalho EMF, Cesse EAP, Brito ESV, Braga JPR. Elementos que influenciam o acesso à atenção primária na perspectiva dos profissionais e dos usuários de uma rede de serviços de saúde do Recife. Physis (Rio J). 2015:25(2):635-56.

Erdmann AL, Andrade SR, Mello ALSF, Drago LC. A atenção secundária em saúde: Melhores práticas na rede de serviços. Rev Latino-Am Enfermagem. 2013;(21):131-9.

Rodrigues LBB, Silva PCS, Peruhype RC, Palha PF, Popolin MP, Crispim JA, et al. A atenção primária à saúde na coordenação das redes de atenção: uma revisão integrativa. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(2):343-52.

Alves MLF, Guedes HM, Martins JCA, Chianca TCM. Rede de referência e contrarreferência para o atendimento de urgências em um município do interior de Minas Gerais – Brasil. Rev Méd Minas Gerais. 2015;25(4):469-75.

IBM. SPSS, versão 20.0. Armonk: IBM; 2011.

Costa SM, Prado MCM, Andrade TN, Araújo EPP, Silva Junior WS, Gomes Filho ZC, et al. Perfil do profissional de nível superior nas equipes da Estratégia Saúde da Família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(27):90-6.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 2017 set 22. Seção 1, p. 68.

Pires MRGM, Gottems LBD, Cupertino TV, Leite LS, Vale LR, Castro MA, et al. A utilização dos Serviços de Atenção Básica e de Urgência no SUS de Belo Horizonte: problema de saúde, procedimentos e escolha dos serviços. Saude Soc, 2013;22(1):211-22.

Brondani JE, Leal FZ, Potter C, Silva RM, Noal HC, Perrando MS. Desafios da referência e contrarreferência na atenção em saúde na perspectiva dos trabalhadores. Cogitare Enferm. 2016;21(1):1-8.

Uchimura LYT, Viana ALA, Silva HP, Ibanez N. Unidades de Pronto Atendimento (UPAs): características da gestão às redes de atenção no Paraná. Saúde debate. 2015;39(107):972-83.

Wetzel C, Pinho LB, Olshowsky A, Guedes AC, Camatta MW, Schneider JF. A rede de atenção à saúde mental a partir da Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúch Enferm. 2014;35(2):27-32.

Costa SM, Ferreira A, Xavier LR, Guerra PNS, Rodrigues CAQ. Referência e contrarreferência na Saúde da Família: percepção dos profissionais de saúde. Rev APS. 2013;16(3):287-93.

Silva MRF, Braga JPR, Moura JFP, Lima JTO. Continuidade Assistencial a mulheres com câncer de colo de útero em redes de atenção à saúde: estudo de caso. Saúde debate. 2016;40(110):107-19.

Austregésilo SC, Leal MCC, Figueiredo N, Góes PSA. A Interface entre a Atenção Primária e os Serviços Odontológicos de Urgência (SOU) no SUS: a interface entre níveis de atenção em saúde bucal. Ciênc saúde coletiva. 2015;20(10):3111-20.

Godoi H, Mello ALSF, Caetano JC. Rede de atenção à saúde bucal: organização em municípios de grande porte de Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública. 2014;30(2):318-32.

Maximino VS, Liberman F, Frutuoso MF, Mendes R. Profissionais como produtores de redes: tramas e conexões no cuidado em saúde. Saude soc. 2017;26(2):435-47.

Barbosa AF, Bittencourt A, Garroux C, Santos E, Gomes E, Senne F, et al. TIC no setor de Saúde: disponibilidade e uso das tecnologias de informação e comunicação em estabelecimentos de saúde brasileiros. Tecnologia e saúde. 2014;6(1):1-10.

Pinto LF, Rocha CMF. Inovações na Atenção Primária em Saúde: o uso de ferramentas de tecnologia de comunicação e informação para apoio a gestão local. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(5):1433-48.

Publicado
2021-03-15
Seção
Artigos originais de temas livres