FORMAÇÃO EM NUTRIÇÃO NO BRASIL: ANÁLISE DE ALCANCES E LIMITES A PARTIR DE UMA REVISÃO DA LITERATURA

  • Ludmylla Souza Valverde Universidade Federal da Bahia
  • Adriana Miranda Pimentel Universidade Federal da Bahia
  • Micheli Dantas Soares Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Palavras-chave: Formação em Nutrição, ensino superior, formação de recursos humanos, nutricionistas

Resumo

A formação em saúde é alvo de interesse nas pesquisas cujos resultados apontam para a necessidade de mudanças. O artigo apresenta um panorama atual da formação em nutrição por meio de uma revisão de literatura. A pesquisa foi realizada na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), nas bases de dados LILACS e SciELO no período entre 2000 e 2015, através dos descritores “formação and nutricionistas”, “formação profissional and nutricionistas” e “formação em recursos humanos and nutricionistas”. Parte considerável dos 15 artigos reflete sobre as limitações na formação em nutrição, tais como: escasso diálogo com as ciências humanas; incipiente articulação entre teoria e prática; ênfase no biologicismo e tecnicismo. O material apresenta, também, propostas para a superação dos limites apontados. Com base nesses aspectos, estratégias estão sendo implementadas para enfrentar os principais problemas identificados atualmente na formação de recursos humanos em saúde.

Biografia do Autor

Ludmylla Souza Valverde, Universidade Federal da Bahia

Nutricionista. Mestra em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade. Supervisora de estágios em Nutrição da Universidade Católica do Salvador. Salvador, Bahia, Brasil.

Adriana Miranda Pimentel, Universidade Federal da Bahia

Terapeuta Ocupacional. Doutora em Saúde Coletiva. Docente do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Micheli Dantas Soares, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Nutricionista. Doutora em Saúde Coletiva. Docente do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

Referências

Pereira IDF, Lages I. Diretrizes curriculares para a formação de profissionais de saúde: competências ou práxis? Trab Educ Saúde. 2013;11(2):310-38.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface. 2005;9(16):161-77.

Silveira JLGC. A formação na área da saúde para além da profissionalização. In: Andrade MRS, Silva CRLD, Silva A, Finco M, organizadores. Formação em saúde: experiências e pesquisas nos cenários de prática, orientação teórica e pedagógica. Blumenau (SC): Edifurb; 2011. p. 75-85.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad Saúde Pública. 2004;20(5):1400-10.

Canesqui AM. Ciências sociais e saúde no Brasil. 2a ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2011.

Banduk MLLS, Ruiz-Moraes L, Batista NA. A construção da identidade profissional na graduação do nutricionista. Interface. 2009;13(28):111-20.

Pinheiro ARO, Recine E, Alencar B, Fagundes AA, Sousa JS, Monteiro RA, Toral N. Percepção de professores e estudantes em relação ao perfil de formação do nutricionista em saúde pública. Rev Nutr. 2012;25(5):631-43.

Aguiar CB, Costa NMSC. Formação e atuação de nutricionistas dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Rev Nutr. 2015;28(2):207-16.

Santana TCM, Ruiz-Moreno L. Formação do nutricionista atuante no Programa Nacional de Alimentação Escolar. Nutrire. 2012;37(2):183-98.

Honório ARF, Batista SH. Percepções e demandas de nutricionistas da alimentação escolar sobre sua formação. Trab Educ Saúde. 2015;13(2):473-92.

Junqueira TS, Cotta RMM. Matriz de ações de alimentação e nutrição na Atenção Básica de Saúde: referencial para a formação do nutricionista no contexto da educação por competências. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(5):1459-74.

Recine E, Gomes RCF, Fagundes AA, Pinheiro ARO, Teixeira BA, Sousa JS, et al. A formação em saúde pública nos cursos de graduação de nutrição no Brasil. Rev Nutr. 2012;25(1):21-33.

Neves J, Sousa AA, Vasconcelos FAG. Formação em nutrição em saúde coletiva na Universidade Federal de Santa Catarina: reflexões sobre o processo de ensino para fortalecer o Sistema Único de Saúde. Rev Nutr. 2014;27(6):761-73.

Franco AC, Boog MCF. Relação teoria-prática no ensino de educação nutricional. Rev Nutr. 2007;20(6):643-55.

Luz MMA, Romero ABR, Brito AKS, Batista LPR, Nogueira LT, Santos MM, Martins MCC. A formação do profissional nutricionista na percepção do docente. Interface. 2015;19(54):589-601.

Batista NA. Desenvolvimento docente na área da saúde: uma análise. Trab Educ Saúde. 2005;3(2):283-94.

Costa NMSC. Formação pedagógica de professores de nutrição: uma omissão consentida? Rev Nutr. 2009;22(1):97-104.

Costa EQ, Ribeiro VMB. Análise de um processo de reforma curricular vivenciado por professores formadores de nutricionistas. Ciênc Educ. 2012;18(3):657-73.

Mitre SM, Siqueira-Batista R, Girardi-de-Mendonça JM, Morais-Pinto NM, Meirelles CAB, Pinto-Porto C, et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc Saúde Colet. 2008;13(supl. 2):2133-44.

Baltazar MMM, Mysés SJ, Bastos CCBC. Profissão, docente de odontologia: o desafio da pós-graduação na formação de professores. Trab Educ Saúde. 2010;8(2):285-303.

Saviani D. A pedagogia histórico-crítica. Rev Binac Bras Argent. 2014;3(2):11-36.

Amorim STSP, Moreira H, Carraro TE. A formação de pediatras e nutricionistas: a dimensão humana. Rev Nutr. 2001;14(2):111-8.

Hora DL, Erthal RMC, Souza CTV, Hora EL. Propostas inovadoras na formação do profissional para o Sistema Único de Saúde. Trab Educ Saúde. 2013;11(3):471-86.

Silva JPV, Tavares CMM. Integralidade: dispositivo para a formação crítica de profissionais de saúde. Trab Educ Saúde. 2004;2(2):271-85.

Conterno SFR, Lopes RE. Inovações do século passado: origens dos referenciais pedagógicos na formação profissional em saúde. Trab Educ Saúde. 2013;11(3):503-23.

Barros NF. O ensino das ciências sociais em saúde: entre o aplicado e o teórico. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(4):1053-64.

Amparo-Santos LS, Silva MCM, Santos JM, Assunção MP, Portela ML, Soares MD, et al. Projeto pedagógico do programa de graduação em nutrição da Escola de Nutrição da Universidade Federal da Bahia: uma proposta em construção. Rev Nutr. 2005;18(1):105-17.

Medeiros MAT, Amparo-Santos L, Domene SMA. A formação de nutricionistas no Brasil: notas para o debate sobre carga horária mínima para integralização curricular dos cursos de graduação. Rev Nutr. 2013;26(5):583-93.

Demétrio F, Alves VS, Brito SM. Bacharelado interdisciplinar em saúde: a concepção positiva de saúde como referencial teórico (RE) orientador do modelo de formação. In: Santana LAA, Oliveira RP, Meireles E, editores. Bacharelado Interdisciplinar em Saúde da UFRB: inovações curriculares, formação interprofissional integrada e em ciclos. Cruz das Almas (BA): EDUFRB; 2016. p. 57-76.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES nº 5, de 7 de novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em nutrição. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2001 nov 9. Seção 1, p. 39.

Almeida Filho NM. Prefácio. In: Teixeira CFS, Coelho MT, organizadores. Uma experiência inovadora no ensino superior: bacharelado interdisciplinar em saúde. Salvador (BA): Edufba; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde – Pró-Saúde: objetivos, implementação e desenvolvimento potencial. Brasília (DF); 2007. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/3028.pdf

Lima M, Coutinho D, Freitas J, Dahia I, Amazonas O, Alencar H. Bacharelados interdisciplinares da Universidade Federal da Bahia: considerações sobre a implantação do projeto. Athenea Digital. 2015;15(3):127-47.

Publicado
2020-10-20
Seção
Artigo de Revisão