PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL, DE 2015 A 2017

Palavras-chave: Tuberculose, Epidemiologia, Tratamento, Desistência do paciente

Resumo

A tuberculose é uma doença infectocontagiosa que ainda é um grande problema de saúde pública no Brasil. É uma doença que tem cura e o tratamento é disponibilizado pelo SUS, porém, o tratamento é longo e necessita de muita atenção dos pacientes e da equipe de saúde. Vários fatores contribuem para que os doentes abandonem o tratamento, o que dificulta o controle dessa enfermidade. Este estudo tem como objetivo descrever o perfil epidemiológico dos casos de abandono do tratamento da tuberculose na região Nordeste do Brasil no período de 2015 a 2017. Trata-se de um estudo ecológico descritivo e exploratório, realizado mediante coleta de dados secundários disponíveis no Sistema de Informações de Agravos e Notificação (Sinan). Foram utilizadas variáveis sociodemográficas e clínicas dos casos de abandono para calcular frequências absolutas e relativas e taxas de abandono nos estados da região. Foram notificados 7.861 casos de abandono do tratamento da tuberculose no Nordeste no período estudado, representando uma taxa média de abandono de 11%. O perfil dos indivíduos que abandonaram o tratamento foi: predomínio do sexo masculino, pardos, com faixa etária entre 30 e 49 anos, escolaridade de média a baixa, e pacientes que apresentaram a forma pulmonar da doença. O Nordeste está longe de atingir a meta preconizada pela OMS para o controle da tuberculose. Conhecer o perfil epidemiológico das pessoas que abandonam o tratamento e, portanto, as vulnerabilidades delas, é importante para que sejam realizadas ações de vigilância e projetos direcionados a essa população.

Biografia do Autor

Vitória de Jesus Barboza, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Biomédica. Microbiologista na Fundação José Silveira. Salvador, Bahia, Brasil.

Suzana Ramos Ferrer, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Professora adjunta. Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Paraná. Governo do Estado. Secretaria da Saúde. Tuberculose [Internet]. 2019 set 26 [citado em 2021 mar 15]. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=939

Brasil. Ministério da Saúde. Tuberculose: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção [Internet]. 2017 mai 2 [citado em 2021 mar 15]. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/tuberculose

Santos ML. Fatores associados à subnotificação de tuberculose com base no SINAN Aids e SINAN Tuberculose. Rev Bras Epidemiol. 2018;21:1-11.

Villa TCS, Assis EG, Oliveira MF, Arcencio RA, Gonzales RIC, Palha PF. Cobertura do tratamento diretamente observado (DOTS) da Tuberculose no Estado de São Paulo (1998 a 2004). Rev Esc Enferm USP. 2008;42(1):98-104.

World Health Organization. Global tuberculosis control surveillance, planning, financing: WHO Reporting 2006 [Internet]. 2006 [citado em 2021 mar 15]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/144567

Brasil. Ministério da Saúde. Programa de Controle da Tuberculose. Diretrizes do plano de ação emergencial para municípios prioritários. Brasília (DF); 1997.

Munro SA, Lewin SA, Smith HJ, Engel ME, Fretheim A, Volmink J. Patient Adherence to Tuberculosis Treatment: A Systematic Review of Qualitative Research. PLOS Medicine. 2007;4(7):1230-45.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância epidemiológica da tuberculose. Brasília (DF); 2016. Disponível em: http://portalsinan.saude.gov.br/images/documentos/Agravos/Tuberculose/Apostila_Curso_Sinan_2016.pdf

World Health Organization. Tuberculosis & Diabetes [Internet]. 2016 [citado em 2021 mar 15]. Disponível em: https://www.who.int/tb/publications/diabetes_tb.pdf

Rehm J, Samokhvalov AV, Neuman MG, Room R, Parry C, Lonnroth K, et al. The association between alcohol use, alcohol use disorders and tuberculosis (TB). A systematic review. BMC Public Healthy. 2009;9:450.

Chirinos NEC, Meirelles BHS. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa. Texto Contexto Enferm. 2011;20(3):599-606.

Sa AMM, Aquino Santiago L, Santos NV, Monteiro NP, Pinto PHA, Lima AM, et al. Causas de abandono do tratamento entre portadores de tuberculose. Rev Soc Bras Clin Med. 2016;15(3):155-60.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Sistema de Informações de Agravos e Notificações. Casos de tuberculose desde 2001 [Internet]. 2019 [citado em 2021 mar 15]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/tubercbr.def

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e Estados [Internet]. 2019 [citado em 2021 mar 15]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.html?view=municipio

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília (DF); 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manualrecomendacoescontroletuberculosebrasil.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Implantação do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil: primeiros passos rumo ao alcance das metas [Internet]. Boletim Epidemiológico. Brasília (DF); 2018 mar;49(11). Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/26/2018-009.pdf

Silva PF, Moura GS, Caldas AJM. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose pulmonar no Maranhão, Brasil, no período de 2001 a 2010. Cad Saúde Pública. 2014;30(8):1745-54.

Santos TA, Martins MMF. Perfil dos casos de reingresso após abandono do tratamento da tuberculose em Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Colet. 2018;26(3):233-40.

Fonseca MG, Bastos FI, Derrico M, Andrade CLT, Travassos C, Szwarcwald CL. Aids e grau de escolaridade no Brasil: evolução temporal de 1986 a 1996. Cad Saúde Pública. 2000;16(Sup. 1):77-87.

Oliveira JFD, Antunes MBDC. Abandono Anunciado ao tratamento da tuberculose em uma Unidade de Saúde da Família do Recife – a perspectiva do usuário. Rev APS. 2012;15(1):4-13.

Paixão LMM, Gontijo ED. Perfil de casos de tuberculose notificados e fatores associados ao abandono, Belo Horizonte, MG. Rev Saúde Pública. 2007;41(2):205-13.

Couto DS, Carvalho RN, Azevedo EB, Moraes MN, Pinheiro PGOD, Faustino EB. Fatores determinantes para o abandono do tratamento da tuberculose: representações dos usuários de um hospital público. Saúde Debate. 2014;38(102):572-81.

Biolchi ADV. Perfil epidemiológico da tuberculose nos municípios de Mato Grosso do Sul [dissertação]. Dourados (MS): Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2012 [citado em 2021 fev 2]. Disponível em: bvssp.icict.fiocruz.br/lildbi/docsonline/get.php?id=3363

Cortezi MD, Silva MV. Abandono do tratamento da tuberculose em pacientes co-infectados com HIV, em Itajaí, Santa Catarina, 1999-2004. Bol Pneumol Sanit. 2006;14(3):145-52.

Pinheiro RS, Andrade VL, Oliveira GP. Subnotificação da tuberculose no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN): abandono primário de bacilíferos e captação de casos em outras fontes de informação usando linkage probabilístico. Cad Saúde Pública. 2012;28(8):1559-68.

Publicado
2019-11-01
Seção
Artigos originais de temas livres