USO MEDICINAL DA CANNABIS SATIVA E SUA REPRESENTAÇÃO SOCIAL

USO MEDICINAL DA CANNABIS SATIVA E SUA REPRESENTAÇÃO SOCIAL

Palavras-chave: Cannabis sativa, Representação social, Uso medicinal

Resumo

Trata-se de uma revisão não sistemática da literatura, descritiva, exploratória e de caráter qualitativo. Tem o objetivo de descrever a importância do uso medicinal da Cannabis sativa, apontando as representações sociais sobre a temática, com vistas a reduzir a falta de informação sobre a substância. Diante do cenário de preconceito em relação à cannabis conclui-se que são inúmeros os dados históricos sobre o consumo da substância, além dos consistentes estudos sobre o seu uso medicinal, porém ainda há a necessidade da formulação/mudança de estratégias que sirvam de subsídios/dados à formação de profissionais, principalmente das áreas de saúde, para serem aplicados nas suas práticas futuras de intervenção junto aos usuários de cannabis medicinal, bem como na implementação de políticas públicas de educação e promoção da saúde. A temática sobre o consumo medicinal da cannabis sativa surgiu após a veiculação através da mídia televisiva de uma entrevista, sobre uma criança, Anny Fisher, portadora de uma síndrome rara, que causava grandes episódios de convulsões ao dia, e após o uso do Canabidiol, um medicamento a base de maconha, houve uma diminuição considerável das crises convulsivas.  A partir dessa constatação de que um simples medicamento poderia minimizar a dor de muitas pessoas e que todo o preconceito que envolve essa substância, não tem nenhum respaldo científico, algumas famílias decidiram travar uma grande batalha jurídica, política e social no sentido de conseguir junto ao órgão regulador, nesse caso a ANVISA, autorização para importação do produto para uso medicinal.

Biografia do Autor

Solange Oliveira Santos

Enfermeira. Especialista em Saúde Mental e Atenção Básica. Salvador, Bahia, Brasil.

Marlene Barreto Santos Miranda, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Odontóloga. Mestre em Família na Sociedade Contemporânea. Docente/ Pesquisadora na Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Bonfa L, Vinagre RCO, Figueiredo VN. Uso de canabinóides na dor crônica e em cuidad1os paliativos. Rev Bras Anestesiol. 2008;58(3):267-279.

Robinson R. O grande livro da Cannabis: guia completo de seu uso industrial, medicinal e ambiental. Rio de Janeiro (RJ): Jorge Zahar; 1999.

Coutinho MPL, Araujo LF, Gonties B. Uso da maconha e suas representações sociais: estudo comparativo entre universitários. Psicol estud. 2004;9(3):469-77.

Gomes AMA. As representações sociais e o estudo do fenômeno do campo religioso. Ciências da religião: história e sociedade. 2004;2(2):36-60.

Schier ARM, Ribeiro NPO, Silva ACO, Hallak JEC, Crippa JAS, Nardi AE, et al. Cannabidiol, a Cannabis sativa constituent, as an anxiolytic drug. Rev Bras Psiquiatr. 2012;34( Supl. 1):104-10.

Terra. Revista lista propriedades de cura da maconha [Internet]. 2013 mar 5 [citado em 2016 jul 1]. Disponível em: https://saude.terra.com.br/doencas-e-tratamentos/revista-lista-propriedades-de-cura-da-maconha,cb8ffc2781c3d310VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html

República Portuguesa. Serviço Nacional de Saúde. Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências. Substâncias Psicoativas [Internet]. 2005 mai 10 [citado em 2016 jul 2]. Disponível em: http://www.sicad.pt/PT/Cidadao/SubstanciasPsicoativas/Paginas/default.aspx

Miranda MBS. Os sentidos das drogas na sociedade contemporânea: ecos entre os jovens e a família – Salvador [dissertação]. Salvador (BA): Universidade Católica do Salvador; 2007.

Nery Filho A, Valerio ALR. Módulo para capacitação dos profissionais do projeto consultório de rua. Brasília (DF): SENAD; 2010.

Organização das Nações Unidas no Brasil. OMS: cannabis é droga ilícita mais consumida no mundo, com 180 milhões de usuários [Internet]. 2016 mai 5 [citado em 2016 maio 5]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-cannabis-e-droga-ilicita-mais-consumida-no-mundo-com-180-milhoes-de-usuarios/

Carlini EA. A história da maconha no Brasil. J bras psiquiatr. 2006;55(4):314-7.

Brasil. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Tratamento da dependência de crack, álcool e outras drogas: aperfeiçoamento para profissionais de saúde e assistência social. Brasília (DF); 2012.

Brasil. Decreto-Lei n. 891, de 25 de novembro de 1938. Aprova a Lei de Fiscalização de Entorpecentes [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 1938 nov 28. Seção 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del0891.htm

Brasil. Lei n. 11.343, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas – Sisnad; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2006 ago 24. Seção 1. [citado em 2016 jun 9]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm

Lopes RM, Ribeiro S. Maconha, Cérebro e Saúde. Rio de Janeiro (RJ): Vieira & Lent; 2007.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n. 17, de 06 de maio de 2015. Define os critérios e os procedimentos para a importação, em caráter de excepcionalidade, de produto à base de Canabidiol em associação com outros canabinóides, por pessoa física, para uso próprio, mediante prescrição de profissional legalmente habilitado, para tratamento de saúde [Internet]. 2015 mai 8 [citado em 2016 jun 9]. Disponível em: https://www.poderesaude.com.br/novosite/images/publicacoes_08.05.2015-II.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Solicitar autorização para importar produtos derivados de Cannabis [Internet]. c2021 [acesso em 2021 mar 30]. Disponível em: https://www.gov.br/pt-br/servicos/solicitar-autorizacao-para-importacao-excepcional-de-produtos-a-base-de-canabidiol

Saito VM, Wotjak CT, Moreira FA. Exploração farmacológica do sistema endocanabinoide: novas perspectivas para o tratamento de transtornos de ansiedade e depressão?. Rev Bras Psiquiatr. 2010;32(Supl. 1):S7-S14.

Kaplan HI, Sadock BJ, Grebb JA. Compêndio de Psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. 7a ed. Porto Alegre (RS): Artes Médicas; 1997.

Growroom. Canabinoides: conheça os principais componentes medicinais da maconha [Internet]. 2017 nov 16 [citado em 2021 mar 16]. Disponível em: https://growroom.net/canabinoides-conheca-os-principais-compostos-da-maconha/

AreaSeg. Site de Segurança do Trabalho. Maconha [Internet]. [citado em 2016 jul 2]. Disponível em: http://www.areaseg.com/toxicos/maconha.html

Almeida PP, Novaes MAFP, Bressan RA, Lacerda ALT. Revisão: funcionamento executivo e uso de maconha. Rev. Bras. Psiquiatr. 2008;30(1):69-76.

Growroom. Composto encontrado na maconha protege contra a esclerose múltipla. [acesso em 2016 jun 9]. Disponível em: https://www.growroom.net/board/topic/51661-composto-encontrado-na-maconha-protege-contra-a-esclerose-m%C3%BAltipla/

Maryjuana. Estudo atesta eficácia do Sativex no tratamento da esclerose múltipla [Internet]. 2014 fev 19 [citado em 2016 jun 9]. Disponível em: https://maryjuana.com.br/2014/02/estudo-atesta-eficacia-do-sativex-no-tratamento-da-esclerose-multipla/

Exame. Maconha pode frear a disseminação do HIV [Internet]. 2014 fev 21[citado em 2016 jun 9]. Disponível em: https://exame.com/ciencia/maconha-pode-frear-a-disseminacao-do-hiv/

Maryjuana. Canabinóides podem tratar síndrome do pânico diz estudo da USP [Internet]. 2014 jan 21 [citado em 2016 jun 9]. Disponível em: https://maryjuana.com.br/2014/01/canabinoides-podem-tratar-sindrome-do-panico-diz-estudo-da-usp/

Growroom. A maconha não causa esquizofrenia descobre estudo de Harvard [Internet]. 2013 dez 9 [citado em 2016 jun 9]. Disponível em: https://www.growroom.net/board/topic/53247-a-maconha-n%C3%A3o-causa-esquizofrenia-descobre-estudo-de-harvard/

Maryjuana. Estudo comprova eficácia da maconha no tratamento do câncer de estômago [Internet]. 2013 jul 9 [citado em 2016 jun 9]. Disponível em: https://maryjuana.com.br/2013/07/estudo-comprova-eficacia-da-maconha-no-tratamento-de-cancer-de-estomago/

BBC Brasil. Maconha bloqueia avanço do Alzheimer, diz estudo [Internet]. 2005 fev 23 [citado em 2016 jun 9]. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/ciencia/story/2005/02/050223_marijuanams

Weed. Canabidiol: conheça as espécies de maconha ricas em CBD [Internet]. 2015 mar 26 [citado em 26 jun 2016]. Disponível em: http://165.227.62.13/2015/03/26/conheca-as-especies-ricas-em-cannabidiol-cbd/

Prats J. Legalizar maconha medicinal não aumenta consumo entre adolescentes [Internet]. 2015 jun 17 [citado em 2016 fev 2]. Disponível em: http://brasil.elpais.com/brasil/2015/06/16/ciencia/1434456902_940758.html

Brasil. Justiça Federal. Seção Judiciária do Distrito Federal. 3a Vara. Autos n. 24632-22.2014.4.01.3400 [Internet]. 2014 abr 3 [acesso em 2016 jul 1]. Disponível em: http://s.conjur.com.br/dl/anvisa-maconha.pdf

Araujo T, Erichsen R, diretores e produtores. Ilegal: A vida não espera [Internet]. 2014 [citado em 2016 jul 22]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rHehU9kh5_0

Publicado
2019-11-01
Seção
Artigo de Revisão