PRESCRIÇÃO DE ANTIBACTERIANOS: PREVALÊNCIA, PERFIL E ADESÃO DE PACIENTES DA ATENÇÃO BÁSICA

Palavras-chave: Estratégia de Saúde da Família, Prescrição de medicamentos, Antibacterianos, Adesão à medicação, Tratamento farmacológico

Resumo

O uso irracional de antibacterianos fez com que os micro-organismos desenvolvessem defesas, e como consequência, tornaram-se resistentes. O objetivo do presente trabalho foi avaliar a prescrição de medicamentos antibacterianos por uma equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF), verificar a adesão dos pacientes ao tratamento e realizar uma intervenção na equipe de saúde a partir dos dados obtidos. Os pacientes foram incluídos a partir do rol de receitas dispensadas no período de um ano. Foram analisados dados referentes aos medicamentos, características dos pacientes e, em uma subamostra, a adesão ao tratamento. Do total de 1.909 prescrições retidas na farmácia da ESF, 635 foram destinadas ao uso de antibacterianos. Verificou-se a prevalência de 15% de uso de antibacterianos e as prescrições foram destinadas a 476 pacientes, com predomínio do sexo feminino (70,6%). Referente à faixa etária dos pacientes, observou-se a seguinte distribuição: 21,9% de 0 a 12 anos, 5,8% de 13 a 17, 58% de 18 a 59 e 14,3% com 60 anos ou mais. No total, foram prescritos 22 tipos de antibacterianos. A não adesão ao tratamento foi observada em 61% dos pacientes da subamostra. Os resultados do estudo foram divulgados à equipe da ESF, ao Conselho Local de Saúde e à gestão municipal, a fim de promover ações visando o uso racional de medicamentos, bem como a adesão ao tratamento.

Biografia do Autor

Marina Pelicioli, Universidade Federal da Fronteira Sul

Farmacêutica. Especialista em Saúde da Família e Comunidade. Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil.

Guilherme Assoni Gomes, Universidade Federal da Fronteira Sul

Graduando em Medicina. Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil.

Vanessa Pelicioli, Universidade Federal da Fronteira Sul

Graduanda em Medicina. Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil.

Thaís Scalco, Universidade Federal da Fronteira Sul

Farmacêutica. Farmacêutica na Secretaria Municipal de Saúde de Marau. Marau, Rio Grande do Sul, Brasil.

Ivana Loraine Lindemann, Universidade Federal da Fronteira Sul

Professora. Doutora em Ciências da Saúde. Professora Adjunta na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil.

Referências

Marin N, Luiza VL, Castro CGS, Machado SS. Assistência farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro (RJ): Organização Pan-Americana da Saúde; 2003.

Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. Alexander Fleming e a descoberta da penicilina. J Bras Patol Med Lab. 2009;45(5):1.

Goll AS, Faria MGI. Resistência bacteriana como consequência do uso inadequado de antibióticos. Braz J Surg Clin Res. 2014;5(1):69-72.

Wannmacher L. Uso indiscriminado de antibióticos e resistência microbiana: uma guerra perdida? Uso Racional de Medicamentos: Temas selecionados. 2004;1(4):1-6.

Cutler RL, Fernandez-Llimos F, Frommer M, Benrimoj C, Garcia-Cardenas V. Economic impact of medication nonadherence by disease groups: a systematic review. BMJ Open. 2018;8(1):e016982.

Organización Mundial de la Salud. Uso racional de los medicamentos: progresos realizados em la aplicación de la estrategia farmacéutica de la OMS. Consejo Ejecutivo. 118a reunión [Internet]. Genebra; 2006 [citado em 2018 set 20]. Disponível em: http://apps.who.int/gb/archive/pdf_files/EB118/B118_6-sp.pdf

Braoios A, Pereira ACS, Bizerra AA, Policarpo OF, Soares NC, Barbosa AS. Uso de antimicrobianos pela população da cidade de Jataí. Cien Saude Colet. 2013;18(10):3055-60.

Brito MA, Cordeiro BC. Necessidade de novos antibióticos. J Bras Patol Med Lab. 2012;48(4):247-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução de Diretoria Colegiada n. 20, de 5 de maio de 2011. Brasília (DF); 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Medicamentos 2001. Brasília (DF); 2001.

World Health Organization. Antimicrobial resistance: global report on surveillance 2014 [Internet]. 2014 [citado em 2018 nov 9]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/112642/9789241564748_eng.pdf

Cunha MF, Gandini RC. Adesão e não-adesão ao tratamento farmacológico para depressão. Psic: Teor e Pesq. 2009;5(3):409-18.

Dimatteo MR. Evidence-based strategiest of oster adherence and improve patient out comes. JAAPA. 2004;17(1):18-21.

Milstein-Moscati I, Persano S, Castro LLC. Aspectos metodológicos e comportamentais da adesão à terapêutica. In: Castro LLC, organizador. Salvador (BA): AG Editora; 2000. p. 171-9.

Muccillo-Baisch AL, Soares MCF, Lunkes R, Goulart IC, Silva, MGC. Avaliação do nível de adesão ao tratamento com antimicrobianos. Vittalle. 2009;21(2):37-51.

Leite SN, Vasconcellos MPC. Adesão à terapêutica medicamentosa: elementos para a discussão de conceitos e pressupostos adotados na literatura. Cien Saude Colet. 2003;8(3):775-82.

Morisky-Green LW, Levine DM. Concurrent and predictive of a self reported measure of medication adherence. Med Care. 1986;24(1):67-74.

Berquo LS, Barros AJD, Lima RC, Bertoldi, AD. Utilização de antimicrobianos em uma população urbana. Rev Saúde Pública. 2004;38(2):239-346.

Paula CGD. Análise de prescrições de medicamentos antimicrobianos dispensados em uma farmácia comunitária do município de João Pessoa/PB. Revista Especialize On-line IPOG. 2014;1(9):1-14.

Nicolini P, Nascimento JWL, Greco KV, Menezes FG. Fatores relacionados à prescrição médica de antibióticos em farmácia pública da região oeste da cidade de São Paulo. Cienc Saude Colet. 2008;13(1):689-96.

Emyinumarua F, Silva AS, Sa AS, Schuelter‑Trevisol F. Perfil e adequação do uso de antibacterianos em crianças internadas em hospital geral no sul do Brasil. Rev Paul Pediatr. 2019;37(1):1-7.

Al-Metwali B, Mulla H. Personalised dosing of medicines for children. J Pharm Pharmacol. 2017;69(5):514-24.

Del Fio FS, Lopes LC, Toledo MI, Barberato Filho S. Perfil de prescrições e uso de antibióticos em infecções comunitárias. Rev Soc Bras Med Trop. 2010;43(1):68-72.

Abrantes PM, Magalhaes SMS, Acurcio FA, Sakurai E. A qualidade de prescrição de antimicrobianos em ambulatórios públicos da secretaria municipal de saúde de Belo Horizonte, MG. Cienc Saúde Colet. 2008;13(Supl.):711-20.

Weber BR, Scherer VC, Oliveira KR, Colet CF. Análise da variação sazonal da prescrição de antibióticos aos usuários de uma unidade básica de saúde do munícipio de Ijuí/RS. Rev Contexto Saúde. 2010;10(1):117-21.

Costa MM. Análise das prescrições de antimicrobianos: Farmácia pública da prefeitura de Carmo do Cajuru, Minas Gerais, Brasil. Rev Saúde Desenvol. 2016;9(5):73-84.

Nascimento OS, Magalhães IRS. Análise da prescrição de antimicrobianos dispensados em uma rede de drogarias da região Norte do Brasil. Rev Bras Farm. 2013;94(3):211-8.

Leite SN, Vieira M, Veber AP. Estudos de utilização de medicamentos: uma síntese de artigos publicados no Brasil e América Latina. Cienc Saude Colet. 2008;13(Supl.):793-802.

Loyola Filho LAI, Uchoa E, Guerra HL, Firmo JOA, Lima-Costa MF. Prevalência e fatores associados à automedicação: resultado do projeto Bambuí. Rev Saúde Pública. 2002;36(1):55-62.

Gonzalez NA, Orero GJ, Prieto P. Evaluación del cumplimiento terapéutico y estrategias para mejorarlo. JANO EMC. 1997;53(1223):709-14.

Publicado
2021-06-10
Seção
Artigos originais de temas livres