DIAGNÓSTICO SITUACIONAL: FERRAMENTA PARA O PLANEJAMENTO DE AÇÕES EM FISIOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE

  • Rafaela da Silva Coelho Barbosa Centro Universitário Serra dos Órgãos
  • Sthefany Gracy Costa Fernandes Centro Universitário Serra dos Órgãos
  • Carlos Alberto Furtado Centro Universitário Serra dos Órgãos
  • Larissa Gonçalves do Couto Centro Universitário Serra dos Órgãos
  • Camilla de Paula Duarte Centro Universitário Serra dos Órgãos
  • Danielle de Paula Aprigio Alves Centro Universitário Serra dos Órgãos https://orcid.org/0000-0001-5970-3497
Palavras-chave: Atenção primária à saúde, Diagnóstico situacional, Planejamento em saúde

Resumo

A atenção básica, surgida com o objetivo de reorientar os serviços de saúde, possui um desfecho histórico que demarca suas características e estratégias atuais. Este artigo tem como objetivo relatar a experiência da construção de um diagnóstico situacional de saúde na cidade de Teresópolis, Rio de Janeiro, em uma comunidade sob cobertura de uma Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF). Trata-se de um relato de experiência que emerge da vivência de docente e discentes da disciplina fisioterapia na atenção básica, no 3º período de graduação do curso de fisioterapia, do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso), em Teresópolis (RJ). A proposta metodológica baseia-se na construção de um diagnóstico situacional de saúde (DSS). Essa vivência ocorreu em uma UBSF nos meses de abril e maio de 2019. Para a realização e suporte teórico, também foi conduzida uma revisão da literatura de assuntos relacionados. Observou-se potencialidades e vulnerabilidades na área de abrangência, condições que apontam a necessidade de reconhecimento do DSS como um instrumento que assimila e analisa os problemas que afetam a comunidade, de forma a contemplar as necessidades da população no planejamento das ações de saúde. O mapeamento permite identificar essas necessidades, corroborando para o planejamento eficaz das ações em saúde, passo fundamental na atenção básica. Essa experiência favorece o fortalecimento do Sistema Único de Saúde, tornando sugestivo o planejamento de abordagens nas demais unidades existentes visando a melhoria da qualidade de oferta do serviço de saúde na atenção primária.

Biografia do Autor

Rafaela da Silva Coelho Barbosa, Centro Universitário Serra dos Órgãos

Discente do Curso de Graduação em Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos – Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Sthefany Gracy Costa Fernandes, Centro Universitário Serra dos Órgãos

Discente do Curso de Graduação em Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos – Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Carlos Alberto Furtado, Centro Universitário Serra dos Órgãos

Discente do Curso de Graduação em Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos – Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Larissa Gonçalves do Couto, Centro Universitário Serra dos Órgãos

Discente do Curso de Graduação em Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos – Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Camilla de Paula Duarte, Centro Universitário Serra dos Órgãos

Discente do Curso de Graduação em Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos – Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Danielle de Paula Aprigio Alves, Centro Universitário Serra dos Órgãos

Fisioterapeuta. Mestre em Saúde Mental. Docente do Curso de Graduação em Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos – Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

Gil CRR. Atenção primária, atenção básica e saúde da família: sinergias e singularidades do contexto brasileiro. Cad Saúde Pública. 2006;22(6):1171-81.

Rodrigues LBB, Silva PCS, Peruhipe RC, Palha PF, Popolim MP, Crispim JA, et al. A atenção primária à saúde na coordenação das redes de atenção: uma revisão integrativa. Cienc Saude Colet. 2014;19(2):343-52.

Milanez TCM, Soratto J, Ferraz F, Vitali MM, Tomasi CD, Sorato M, et al. Satisfação e insatisfação na Estratégia Saúde da Família: potencialidades a serem exploradas, fragilidades a serem dirimidas. Cad Saude Colet (Rio J). 2018;26(2):184-90.

Facchini LA, Tomasi E, Dilelio AS. Qualidade da Atenção Primária à Saúde no Brasil: avanços, desafios e perspectivas. Saúde Debate. 2018;42(n. esp. 1):208-23.

Kleba MA, Krauser IM, Vendruscolo CO. Planejamento Estratégico Situacional no ensino da gestão em saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2011;20(1):184-93.

Lana FCF, Gomes ELR. Reflexões sobre o planejamento em saúde e o processo da reforma sanitária brasileira. Rev Latino-Am Enfermagem. 1996;4(1):97-110.

Costa SMC, Souza LPS, Souza TR, Cerqueira ALN, Botelho BL, Araujo EPP, et al. Práticas de trabalho no âmbito coletivo: profissionais da equipe Saúde da Família. Cad Saúde Colet (Rio J). 2014;22(3):292-9.

Ribeiro PC, Pedrosa JIS, Nogueira LTT, Souza MFS. Ferramentas para o diagnóstico comunitário de saúde na consolidação da estratégia saúde da família. Tempus (Brasília). 2012;6(4):161-74.

Silva CSSL, Koopmans FF, Daher DV. O Diagnóstico Situacional como ferramenta para o planejamento de ações na Atenção Primária a Saúde. Rev Pró-UniverSUS. 2016;7(2):30-3.

Pierre LAS, Clapis MJ. Planejamento familiar em Unidade de Saúde da Família. Rev Latino-Am Enfermagem. 2010;18(6):1161-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2011 out 24. Seção 1, p. 48.

Medeiros DKS, Neves RF. Análise crítica das práticas na atenção primária à saúde com base nos relatos dos estudos do curso de fisioterapia. Rev Baiana Saúde Pública. 2013;37(1):87-105.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial [Internet]. Brasília (DF); 1997 [citado em 2007 mai 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ cd09_16.pdf

Loures LF, Silva MS. A interface entre o trabalho do agente comunitário de saúde e do fisioterapeuta na atenção básica à saúde. Cienc Saude Colet. 2010;15(4):2155-64.

Publicado
2019-11-01
Seção
Relato de experiências