INTEGRAÇÃO ENSINO-TRABALHO-CIDADANIA: VIVÊNCIA DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

  • Lorrane Fonseca Pitombo Rodrigues Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso
  • Juliana Brandão Reis Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso
  • Tassiane Queiroz de Oliveira Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso
  • Rafaela da Silva Coelho Barbosa Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso
  • Rondineli Barros Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso
  • Danielle de Paula Aprigio Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso https://orcid.org/0000-0001-5970-3497
Palavras-chave: Educação em saúde, Participação comunitária, Fisioterapia

Resumo

A Integração Ensino-Trabalho-Cidadania (IETC) é uma proposta de ensino de abordagem diversificada e que prevê interação entre as esferas prática e teórica, buscando ampliar a capacidade de resolução de problemas a partir de situações reais, e abordando a importância da cooperação e trabalho em equipe. Este estudo objetiva relatar a vivência de estudantes de fisioterapia durante o processo ensino aprendizagem por intermédio da IETC. Trata-se de um relato de experiência, elaborado no contexto das disciplinas Integração Ensino-Trabalho e Fisioterapia na Atenção Básica, ministradas no segundo período do curso de graduação em fisioterapia do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso). A IETC foi implementada no ano de 2018 nos cursos do Centro de Ciências em Saúde, inicialmente objetivando potencializar e fortalecer a proposta da integração ensino e trabalho na comunidade do conjunto habitacional da Fazenda Ermitage, no município de Teresópolis, Rio de Janeiro. Nesse contexto, as atividades acadêmicas desenvolvidas têm como principal público-alvo os moradores, vítimas da tragédia natural de 2011. Os cenários de aprendizagem por meio da IETC constituíram-se espaços de cuidado, conhecimento e cidadania, incrementando a formação profissional dos estudantes. Especificamente, os alunos de fisioterapia vivenciaram abordagens educativas, ações assistenciais, individuais, coletivas, bem como diferentes práticas no campo técnico e de pesquisa. Assim, considera-se que a formação acadêmica com pensares e ações sociais promove uma perfeita interação entre discentes, docentes, gestores e a população, criando um cenário de prática humanitária e resolutiva.

Biografia do Autor

Lorrane Fonseca Pitombo Rodrigues, Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso

Graduanda do curso de Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos/Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Juliana Brandão Reis, Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso

Graduanda do curso de Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos/Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Tassiane Queiroz de Oliveira, Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso

Graduanda do curso de Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos/Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Rafaela da Silva Coelho Barbosa, Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso

Graduanda do curso de Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos/Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Rondineli Barros, Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso

Fisioterapeuta. Especialista em Traumato-Ortopedia. Docente do curso de Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos/Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Danielle de Paula Aprigio, Centro Universitário Serra dos Órgãos. Unifeso

Fisioterapeuta. Mestre em Saúde Mental. Docente do curso de Fisioterapia no Centro Universitário Serra dos Órgãos/Unifeso. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

Brehmer LCF, Ramos FRS. Experiências de integração ensino-serviço no processo de formação profissional em saúde: revisão integrativa. Rev Eletr Enferm. 2014;16(1):228 37.

Silva CMSLMD, Santos NMP. Os cenários de aprendizagem: espaços de cuidado, conhecimento, poder e cidadania na formação do enfermeiro. RPE. 2010;23(2):173 89.

Tanji S, Silva CMSLMD, Albuquerque VS, Viana LO, Santos NMP. Integração ensino-trabalho-cidadania na formação de enfermeiros. Rev Gaúcha Enferm. 2010;31(3):483 90.

Gonzáles AD, Almeida MJ. Integralidade da saúde – norteando mudanças na graduação dos novos profissionais. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(3);757 62.

Gauer APM, Ferretti F, Teo CRPA. Professional training in physiotherapy: barriers to the diversification of practical learning scenarios and for teaching-service integration. Fisioter Mov. 2018; 31:1 11.

Pizzinato A, Gustavo AS, Santos BRL, Ojeda BS, Ferreira E, Thiesen FV, et al. A Integração Ensino-Serviço como Estratégia na Formação Profissional para o SUS. Rev Bras Educ Med. 2012;36(2):170 7.

Medeiros DKS, Neves RF. Análise crítica das práticas na atenção primária à saúde com base nosrelatos dos estudantes do curso de fisioterapia. Rev Baiana Saúde Pública. 2013;37(1):87 105.

Zambenedetti G. Sala de espera como estratégia de educação em saúde no campo da atenção às doenças sexualmente transmissíveis. Saúde soc. 2012;21(4):1075 86.

Baldoino AS, Veras RM. Análise das atividades de integração ensino-serviço desenvolvidas nos cursos de saúde da Universidade Federal da Bahia. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(n. spe.):17 24.

Teixeira ER, Veloso RC. O grupo em sala de espera: território de práticas e representações em saúde. Texto contexto enferm. 2006;15(2):320 5.

Maynart WHC, Albuquerque MCS, Breda MZ, Jorge JS. A escuta qualificada e o acolhimento na atenção psicossocial. Acta Paul Enferm. 2014;27(4):300 4.

Rodrigues AD, Dallanora CR, Rosa J, German ARM. Sala de espera: um ambiente para efetivar a educação em saúde. Vivências. 2009;5(7):101 6.

Matos TP. Educação em saúde visando a prevenção do câncer de mama e próstata em estudantes da rede pública [monografia]. Campos dos Goytacazes (RJ): Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense; 2018.

Albuquerque VS, Gomes AP, Rezende CHA, Sampaio MX, Dias OV, Lugarinho RM. A integração ensino-serviço no contexto dos processos de mudança na formação superior dos profissionais da saúde. Rev Bras Educ Med. 2008;32(3):356 62.

Costa LR, Oishi J, Driusso P. Distribuição de fisioterapeutas entre estabelecimentos públicos e privados nos diferentes níveis de complexidade de atenção à saúde. Rev Bras Fisioter. 2012;16(5):422 30.

Silva CVP. Fisioterapia e saúde coletiva: uma análise crítica da produção científica no Brasil. Cad Edu Saúde E Fis. 2016;3(5):32 40.

Publicado
2020-03-31
Seção
Relato de experiências