DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS CASOS DE HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE SOBRAL, CEARÁ, DE 2010 A 2017

Palavras-chave: Análise espacial, Doenças infectocontagiosas, Mapeamento geográfico, Avaliação em saúde

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a distribuição espacial dos casos de hanseníase no município de Sobral, Ceará, entre 2010 e 2017, utilizando técnicas de geoprocessamento. Trata-se de um estudo epidemiológico ecológico, de referência temporal transversal com abordagem quantitativa, realizado no município de Sobral, CE. Elegeu-se como participantes do estudo pacientes diagnosticados com hanseníase no município de Sobral, de 2010 a 2017, e utilizou-se de geoprocessamento para análise espacial. Foram notificados durante o período do estudo um total de 750 casos novos. O ano de 2012 foi o que registrou maior número de diagnósticos e uma taxa de detecção de 52,81 por 100 mil habitantes, o que demonstra a hiperendemicidade do município. Além disso, identificou-se que a maioria dos casos ocorre nos perfis de sexo masculino, baixa escolaridade, zona urbana e casos novos. Já a análise espacial demonstra que a maioria dos bairros apresentou pelo menos um caso de hanseníase durante os anos estudados, sendo que a sede apresenta uma área endêmica para a transmissão da hanseníase positivas. O município, durante o período estudado, apresentou uma evolução favorável da doença, com os dois últimos anos registrando taxa muito alta de detecção da hanseníase. Dessa forma, confirma-se a endemicidade do município e demonstra-se que as ações implementadas estão sendo eficazes, com diagnóstico precoce, conclusão do tratamento e rastreamento dos contatos.

Biografia do Autor

Jamilly Coelho Teixeira Braga, Universidade Federal do Ceará

Enfermeira. Mestranda em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará. Sobral, Ceará, Brasil.

Izabelle Mont'Alverne Napoleão Albuquerque, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, Ceará, Brasil.

Marcos Aguiar Ribeiro, Universidade Federal de São Paulo

Enfermeiro. Doutorando em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, São Paulo, Brasil.

Fernando Daniel de Oliveira Mayorga, Universidade Federal do Ceará

Professor. Doutor em Estudos de Terras Áridas. Professor do curso de economia da Universidade Federal do Ceará. Sobral, Ceará, Brasil.

Jaciara Alves de Sousa, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Acadêmica de Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. Bolsista de Iniciação Científica – CNPq. Santa Quitéria, Ceará, Brasil.

Referências

World Health Organization. The Global Health Observatory. Leprosy (Hansen’s disease) [Internet]. c2021 [citado em 2020 fev 3]. Disponível em: https://www.who.int/data/gho/data/themes/topics/leprosy-hansens-disease

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [Internet]. Brasília (DF); 2016 [citado em 2020 fev 3]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/fevereiro/04/diretrizes-eliminacao-hanseniase-4fev16-web.pdf

United States of America. Department of Health and Human Services. Health Resources & Services Administration. Hansen's Disease Cardinal Signs & Symptoms [Internet]. 2017 [citado em 2020 fev 3]. Disponível em: https://www.hrsa.gov/hansens-disease/diagnosis/index.html

Gracie R, Peixoto JNB, Soares FBR, Hacker MAVB. Análise da distribuição geográfica dos casos de hanseníase. Rio de Janeiro, 2001 a 2012. Ciênc saúde colet. 2017;22(5):1695-704.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Caracterização da situação epidemiológica da hanseníase e diferenças por sexo, Brasil, 2012-2016. Boletim Epidemiológico. Brasília (DF). 2018:49(4):1-10.

Ceará. Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. Núcleo de Vigilância Epidemiológica. Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde. Nota Técnica: Hanseníase [Internet]. Fortaleza (CE); 2018 jan 31 [citado em 2020 mar 3]. Disponível em: https://www.saude.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/9/2018/06/nota_tecnica_hanseniase_1_2_2018_2.pdf

Ribeiro MA, Albuquerque IMN, Paiva GM, Vasconcelos JPC, Araújo MAVF, Vasconcelos MIO. Georreferenciamento: ferramenta de análise do sistema de saúde de Sobral – Ceará. SANARE, Sobral. 2014;13(2):63-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 3.125, de 7 de outubro de 2010. Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção e Controle da Hanseníase [Internet]. 2010 [citado em 2021 abr 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt3125_07_10_2010.html

Ribeiro GC. Fatores relacionados à prevalência de incapacidades físicas em hanseníase na microrregião de Diamantina, Minas Gerais [dissertação]. Belo Horizonte (MG): Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais; 2012.

Santos M. O Trabalho do geógrafo no terceiro mundo. 4a ed. São Paulo (SP): Hucitec; 1996.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria conjunta SVS/SAS n. 125, de 26 de março de 2009. Define as ações de controle da hanseníase [Internet]. 2009 [citado em 2020 fev 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/svs/2009/poc0125_26_03_2009.html

Ceará. Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. Núcleo de Vigilância Epidemiológica. Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde. Boletim Epidemiológico: Hanseníase [Internet]. 2017 set 5 [citado em 2020 fev 5]. Disponível em: https://www.saude.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/9/2018/06/boletim_hanseniase_05_09_2017.pdf

Rodrigues RN. Análise espacial da hanseníase no município de Belo Horizonte e sua relação com o índice de vulnerabilidade da saúde [dissertação]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2015.

Ribeiro MA, Albuquerque IMN, Vasconcelos MIO, Dias LKS, Cavalcante AS. Geoprocessamento em saúde como tecnologia de análise e monitoramento da hanseníase no município de Sobral-Ceará. Rev Baiana Saúde Pública. 2017;41(2):451-65.

Sarmento APA, Pereirao AM, Ribeiro F, Castro JL, Almeida MB, Ramos NM. Perfil epidemiológico da hanseníase no período de 2009 a 2013 no município de Montes Claros (MG). Rev Soc Bras Clin Med. 2015;13(3):180-4.

Negrao GN, Vieira IR, Katayama EMY, Borecki MT. Variáveis epidemiológicas intervenientes na ocorrência da hanseníase no município de Guarapuava, PR. Geografia (Londrina). 2016;25(2):110-29.

Gonçalves NV, Alcantara RCC, Sousa Junior AS, Pereira ALRR, Miranda CSC, Oliveira JSS, et al. A hanseníase em um distrito administrativo de Belém, estado do Pará, Brasil: relações entre território, socioeconomia e política pública em saúde, 2007-2013. Rev Pan-Amazônica Saúde. 2018;9(2):21-30.

Pieri FM, Ramos ACV, Crispim JA, Pitia ACA, Rodrigues LBB, Silveira TRS, et al. Fatores associados às incapacidades em pacientes diagnosticados de Hanseníase: Um estudo transversal. Hansen Int. 2012;37(2):22-30.

Organização Mundial da Saúde. Estratégia global aprimorada para redução adicional da carga da hanseníase: 2011-2015. Diretrizes operacionais (atualizadas) [Internet]. Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde; 2010 [citado em 2017 set 15]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estrategia_global_aprimorada_reducao_hanseniase.pdf

Gomes CCD, Pones MAA, Gonçalves HS, Penna G. Perfil clinico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de referência na região nordeste do Brasil. An Bras Dermatol. 2015;80(Supl. 3):283-8.

Organização Mundial da Saúde. Estratégia Global para Hanseníase 2016-2020. Aceleração rumo a um mundo sem hanseníase. Genebra; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle da hanseníase na atenção básica: guia prático para profissionais da equipe de saúde da família. Brasília (DF); 2001. (Série A. Normas e manuais técnicos, n. 111)

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de prevenção de incapacidades. 3a ed. Brasília (DF); 2008. (Série A. Normas e manuais técnicos. Cadernos de prevenção e reabilitação em hanseníase; n. 1).

Cardoso PV, Seabra VS, Bastos IB, Costa ECP. A importância da análise espacial para tomada de decisão: Um olhar sobre a pandemia de COVID-19. Rev Tamoios. 2020;16(1, Esp. COVID-19):125-37.

Publicado
2020-03-31
Seção
Artigos originais de temas livres