ADEQUAÇÃO E VALIDAÇÃO DE INDICADORES DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SISTEMA PENITENCIÁRIO

  • Sheila Manoela Flora Departamento Penitenciário do Paraná
  • Gerusa Clazer Halila Possagno Universidade Estadual de Ponta Grossa https://orcid.org/0000-0002-1821-1047
  • Vanessa Denardi Antoniassi Baldissera Universidade Estadual de Maringá
  • Edmarlon Girotto Universidade Estadual de Londrina https://orcid.org/0000-0001-9345-3348
Palavras-chave: Prisões, Assistência farmacêutica, Estudos de validação, Técnica delfos

Resumo

O presente estudo tem como objetivo desenvolver indicadores de estrutura, processo e resultados da assistência farmacêutica (AF) penitenciária e validá-los segundo a forma e conteúdo. Para isso, o desenvolvimento metodológico constituiu-se pela elaboração de um painel de indicadores da AF prisional. A elaboração do instrumento de trabalho e a validação de seu conteúdo e forma foram realizados com a utilização da técnica Delfos. Para a inclusão dos indicadores, foi considerada uma concordância entre os especialistas selecionados de 80,0%. O grupo foi composto por dez farmacêuticos que atuam em áreas ligadas à AF. O primeiro instrumento elaborado e submetido a julgamento contemplava 114 indicadores (52 de estrutura, 49 de processo e 13 de resultado). Foram necessárias três rodadas para definição da estrutura, forma e conteúdo dos indicadores, totalizando 50 indicadores validados (28 de estrutura; 16 de processo e 6 de resultado). Os resultados refletem a opinião de especialistas na área e o consenso obtido, validando os indicadores construídos. O uso da técnica Delfos foi pertinente, pois não há dados históricos relacionados ao tema e a opinião de profundos conhecedores da temática proporciona a construção de uma linha de ação coerente e confiável.

Biografia do Autor

Sheila Manoela Flora, Departamento Penitenciário do Paraná

Mestre em Assistência Farmacêutica. Farmacêutica no Departamento Penitenciário do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Gerusa Clazer Halila Possagno, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutora em Ciências Farmacêuticas. Docente na Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ponta Grossa, Paraná, Brasil.

Vanessa Denardi Antoniassi Baldissera, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Enfermagem Psiquiátrica. Docente na Universidade Estadual de Maringá. Maringá, Paraná, Brasil.

Edmarlon Girotto, Universidade Estadual de Londrina

Doutor em Saúde Coletiva. Docente na Universidade Estadual de Londrina. Londrina, Paraná, Brasil.

Referências

Paraná. Departamento de Execução Penal. Escola de Formação e Aperfeiçoamento Penitenciário. A história das prisões e dos sistemas de punições [Internet]. 2014 dez 11 [citado em 2019 mar 10]. Disponível em: http://www.espen.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=102

Leal AF. A trajetória da saúde prisional no Brasil [monografia]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2015.

Paula FC, Santos AP. O sistema penitenciário Federal: a resposta do Estado à crise carcerária no Brasil. Revista Juris UniToledo. 2017;2(3):38-53.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Reincidência Criminal no Brasil: Relatório de Pesquisa. Rio de Janeiro (RJ); 2015.

Brasil. Lei n. 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 1984 jul 13 [citado em 2019 mar 10]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7210.htm

Oliveira MA, Bermudez JAZ, Osorio-de-Castro CGS. Assistência farmacêutica e acesso a medicamentos. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2007.

Dupim JAA. Assistência farmacêutica: um modelo de organização. Belo Horizonte (MG): SEGRAC; 1999.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 338, de 06 de maio de 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília, 2004 [citado em 2019 mar 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2004/res0338_06_05_2004.html

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Justiça. Portaria Interministerial MS/MJ n. 1.777, de 9 de setembro de 2003 [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2003 [citado em 2019 mar 10]. Disponível em: http://www.crpsp.org.br/sistemaprisional/leis/2003Portaria1777.pdf

De Bernardi CLB, Bieberbach EW, Thome HI. Avaliação da assistência farmacêutica básica nos municípios de abrangência da 17a Coordenadoria Regional de Saúde do Rio Grande do Sul. Saúde soc. 2006;15(1):73-83.

Cardins KKB, Jesus ACF, Silva PBA, Barbosa ML, Costa GMC. A assistência farmacêutica no âmbito prisional: revisão integrativa da literatura. 3o Seminário Internacional de Pesquisa em Prisão; 2017 set 27-29; Recife (PE). Recife (PE): Universidade Federal de Pernambuco; 2017.

Gois S, Santos Junior HPO, Silveira MFA, Gaudencio MMP. Para além das grades e punições: uma revisão sistemática sobre a saúde penitenciária. Ciênc saúde colet. 2012;17(5):1235-46.

World Health Organization. How to investigate drug use in health facilities: selected drug use indicators [Internet]. Genebra; 1993 [citado em 2019 fev 12]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/60519/WHO_DAP_93.1.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Planejar é preciso: uma proposta de método para aplicação à assistência farmacêutica. Brasília (DF); 2006.

Manzini F, Alencar LBO, Sales L, Bezerra MB, Campanha P, Macedo R, et al. O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS: diretrizes para ação. Brasília (DF): Conselho Federal de Farmácia; 2015.

Brasil. Ministério Público. Conselho Nacional do Ministério Público. A visão do Ministério Público sobre o sistema prisional brasileiro – 2016. Brasília (DF); 2016.

Souza LS, Porto JG, Lyra Júnior DP. Avaliação da estrutura e dos processos de organização e gestão da assistência farmacêutica em município do estado de Sergipe. Rev ciênc farm básica apl. 2011;32(3):403-10.

Wright JTC, Giovinazzo RA. Delphi: uma ferramenta de apoio ao planejamento prospectivo. Caderno de Pesquisas em Administração. 2000;1(12):54-65.

Mathias SL, Sakai C. Utilização da ferramenta Google Forms no processo de avaliação institucional: estudo de caso nas Faculdades Magsul. Seminários Regionais sobre Autoavaliação Institucional e Comissões Próprias de Avaliação; 2013 set 17-18; Brasília, (DF). Brasília (DF): Inep; 2015.

Castro AV, Rezende M. A técnica Delphi e seu uso na pesquisa de enfermagem: revisão bibliográfica. REME Rev min enferm. 2009;13(3):429-34.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde no Sistema Penitenciário. Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário. Brasília (DF); 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial n. 1, de 2 de janeiro de 2014. Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional (PNAISP) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília (DF); 2014 jan 3, seção 1, p. 2. 2a ed.

Lopes V. Experiências de profissionais de saúde em unidades prisionais localizadas em Cuiabá/MT [dissertação]. Cuiabá (MT): Universidade Federal de Mato Grosso; 2014.

Loures CAS. Delphi na internet e suas implicações do ponto de vista metodológico. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração; 2002 set 22-25; Salvador (BA). Rio de Janeiro (RJ): Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração.

Revoredo LS, Maia RS, Torres GV, Maia EMC. O uso da Técnica Delphi em saúde: uma revisão integrativa de estudos brasileiros. Arq ciênc saúde. 2015;22(2):16-21.

Keeney S, Hasson F, Mckenna H. How to get started with the delphi technique. In: Keeney S, Hasson F, Mckenna H. The delphi technique in nursing and health research. Oxford: Wiley-Blackwell; 2011. p. 43-68.

Coutinho SS, Freitas MA, Pereira MJB, Veiga TB, Ferreira M, Mishima SM. O uso da técnica Delphi na pesquisa em atenção primária à saúde: Revisão integrativa. Rev baiana saúde pública. 2013;37(3):582-96.

Rozados HF. O uso da técnica Delphi como alternativa metodológica para a área da Ciência da Informação. Em questão. 2015;21(3):64-86.

Santos A, Vidotto LS, Giublin CR. A utilização do método Delphi em pesquisas na área da gestão da construção. Ambiente Construído. 2005;5(2):51-9.

Tanaka OY, Tamaki EM. O papel da avaliação para a tomada de decisão na gestão de serviços de saúde. Ciênc saúde colet. 2012;17(4):821-8.

Publicado
2020-03-31
Seção
Artigos originais de temas livres