QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO RIACHO MACARRÃO, AFLUENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, NA CIDADE DE JUAZEIRO, BAHIA

Palavras-chave: Recursos hídricos, coliformes, saúde pública, esgoto

Resumo

No município de Juazeiro (BA), vários afluentes do rio São Francisco são utilizados como canais de esgoto a céu aberto, os quais desaguam no rio sem os devidos tratamentos. Essa prática, além dos prejuízos ambientais, põe em risco a saúde da população, uma vez que o contato com águas contaminadas é um fator de risco para o desenvolvimento de diversas doenças por conta de microrganismos patogênicos. Uma vez que não há limitação de acesso por animais e pela comunidade a esses ambientes, este trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade microbiológica das águas do riacho Macarrão, bem como das águas do rio São Francisco que estão sob influência desse afluente. Para isso, amostras de águas foram avaliadas para presença e quantificação de coliformes termotolerantes e Escherichia coli por meio da técnica de tubos múltiplos. De acordo com as resoluções vigentes, os resultados indicaram que as águas analisadas se encontram impróprias para uso por apresentarem uma alta concentração de coliformes e estarem sob a incidência direta de efluentes sanitários, colocando em risco a saúde da população que vive em seu entorno. Tendo em vista os riscos associados ao contato com ambientes contaminados, torna-se necessária a implementação de programas de recuperação dessas águas e de monitoramento nesses ambientes.

Biografia do Autor

Carlos Henrique Araujo Dias, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Biólogo e Mestre em Ciências da Saúde. Técnico do Laboratório de Microbiologia na Universidade Federal do Vale do São Francisco. Petrolina, Pernambuco, Brasil

Referências

Souza RCA, Ramos ARN. Rio São Francisco: Cultura, identidade e desenvolvimento. Revista de Desenvolvimento Econômico. 2010;(ed. esp.):5-13.

Sobrinho JS. Desenvolvimento no Vale do São Francisco: uma análise crítica. 19o Encontro Nacional de Geografia Agrária; 2009; São Paulo (SP). São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2009.

Ribeiro MEA. Caracterização de Aeromonas spp. isoladas de águas não tratadas para consumo humano [dissertação]. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; 2008.

Coelho MIS, Mendes ES, Cruz MCS, Soares MC, Bezerra SS, Silva RPP. Avaliação da qualidade microbiológica de águas minerais consumidas na região metropolitana de Recife, Estado de Pernambuco. Acta Sci, Health Sci. 2010;32(1):1-8.

Nigro MA. Imagem da natureza e as representações sociais dos riachos urbanos no semiárido. 3o Workshop de Educação Ambiental Interdisciplinar; 2014 dez 11-13; Petrolina (PE): Universidade Federal do Vale do São Francisco; 2014.

Manjusha S, Sarita GB, Elyas KK, Chandrasekaran M. Multiple antibiotic resistances of Vibrio isolates from coastal and brackish water areas. Am J Biochem & Biotech. 2005;1(4):201-6.

Silva JCJ, Matos JM, Divino AC, Ferreira TP, Ciminelli VST. Determinação de metais pesados em amostras de sedimentos superficiais da bacia do rio São Francisco por espectrometria de massas com fonte de plasma acoplada indutivamente após decomposição ácida assistida por radiação micro-ondas. Eclética Química Journal. 2014;39(1):22-34.

Feng P, Weagant SD, Grant MA, Burkhardt W. Enumeration of Escherichia coli and the Coliform Bacteria. In: Food and Drugs Administration. Bacteriological Analytical Manual [Internet]. White Oak; 2002 [citado em 2020 mar 10]. Disponível em: https://www.fda.gov/food/laboratory-methods-food/bam-chapter-4-enumeration-escherichia-coli-and-coliform-bacteria

Blodgett R. Most probable number determination from serial dilutions. In: Food and Drugs Administration. Bacteriological Analytical Manual [Internet]. White Oak; 2001 (2 appendix) [citado em 2020 mar 10]. Disponível em: https://www.fda.gov/food/laboratory-methods-food/bam-appendix-2-most-probable-number-serial-dilutions

Koneman EW. Diagnóstico microbiologico. 5a ed. São Paulo (SP): Medsi; 2001.

Moura AC, Assumpção RAB, Bischoff J. Monitoramento físico-químico e microbiológico da água do rio Cascavel durante o período de 2003 a 2006. Arq Inst Biol. 2009;76(1):17-22.

Lima FTS, Pereira CDSS, Pereira AR, Cândida SFDF. Projeto de Implantação de Sistema de Fossa Séptica Biodigestora e Clorador no Sítio Rio Manso/RJ. Revista Fluminense de Extensão Universitária. 2012;2(2):11-26.

Dias CHA. Classificação filogenética e perfil de resistência a antibacterianos e metais pesados em cepas de Escherichia coli isoladas do rio São Francisco, município de Petrolina-PE [Dissertação]. Petrolina (PE): Universidade Federal do Vale do São Francisco; 2018.

World Health Organization. Antimicrobial resistance: global report on surveillance [Internet]. Genebra; 2014 [citado em 2020 mar 10]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/112642/9789241564748_eng.pdf

Publicado
2020-03-31
Seção
Artigos originais de temas livres