EVENTOS TOXICOLÓGICOS EM IDOSOS ATENDIDOS POR CENTRO DE INFORMAÇÃO E ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA: ANÁLISE DE TENDÊNCIA

Palavras-chave: Idoso, Envenenamento, Dinâmica populacional

Resumo

Por produzir elevado impacto socioeconômico, promovendo custos e danos evitáveis, além de ter efeitos nocivos ao organismo humano, a intoxicação humana é considerada um problema importante em saúde pública. Com o envelhecimento, os indivíduos ficam suscetíveis a diversas doenças e agravos em saúde, e dentre eles, é importante notar-se os eventos toxicológicos ocorridos por várias circunstâncias, como o uso de polifarmácia, tentativa de suicídio, erro de prescrição médica, erro na administração do medicamento, entre outros, causas cada vez mais presente nessa população. Dessa forma, este artigo tem o objetivo de determinar o perfil e a tendência dos eventos toxicológicos ocorridos em idosos. Trata-se de estudo de tendência, realizado com indivíduos com 60 anos ou mais, notificados por um Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Londrina (CIATox-Londrina), de 1985 a 2014. As variáveis foram coletadas através do banco de dados do CIATox-Londrina, e a análise de tendência realizada por meio de modelos de regressão linear simples. Identificou-se 2.042 casos de eventos toxicológicos em idosos, predominando a faixa etária de 60 a 69 anos (61,9%). A maioria (69,1%) foram casos de evento acidental, de forma aguda (98,2%), envolvendo animais (64,6%), pesticidas (16,5%) e medicamentos (10,8%) como principais agentes. Casos com animais apresentaram tendências de aumento significativas (R2 = 0,682; p = 0,03; β1 = 1,542). Tal tendência também foi observada no sexo masculino (R2 = 0,766; p = 0,001; β1 = 1,855). Observou-se predominância de eventos envolvendo animais, pesticidas e medicamentos, com tendência de aumento significativo em casos com animais, tanto em toda população avaliada como no sexo masculino.

Biografia do Autor

Everton José da Silva Rocha, Universidade Estadual de Londrina

Médico. Bolsista CNPq do Programa de Iniciação Científica da Universidade Estadual de Londrina. Londrina, Paraná, Brasil.

Edmarlon Girotto, Universidade Estadual de Londrina

Farmacêutico. Doutor em Saúde Coletiva. Docente na Universidade Estadual de Londrina. Londrina, Paraná, Brasil.

Camilo Molino Guidoni, Universidade Estadual de Londrina

Farmacêutico. Doutor em Ciências Farmacêuticas. Docente na Universidade Estadual de Londrina. Londrina, Paraná, Brasil.

Referências

World Health Organization. International Programme on Chemical Safety. Poisoning Prevention and Management [Internet]. 2012 [citado em 2017 ago 25]. Disponível em: http://www.who.int/ipcs/poisons/en/

Bitencourt NKS, Borges LM, Alves SMF, Souza FHHV. Intoxicações medicamentosas registradas pelo Centro de Informações Toxicológicas de Goiás, 2007. 6o Seminário de Iniciação Científica; 2008; Anápolis (GO). Anápolis (GO): Universidade Estadual de Goiás; 2008.

Brasil. Fundação Oswaldo Cruz. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas [Internet]. 2016 [citado em 2017 ago 25]. Disponível em: http://www.fiocruz.br/sinitox/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=6

Moreira RM, Santos CES, Couto ES, Teixeira JRB, Souza RMMM. Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica. Revista Kairós Gerontologia. 2013;16(1):27 38.

Cavalcante FG, Minayo MCS. Autópsias psicológicas e psicossociais de idosos que morreram por suicídio no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(8):1943 54.

Ramos LR, Veras RP, Kalache A. Envelhecimento populacional: uma realidade brasileira. Rev Saúde Pública. 1987;21(3):211 24.

Schvartsman C, Schvartsman S. Intoxicações exógenas agudas. J pediatr (Rio J.). 1999:75(Supl. 2):244 50.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Sinan Net [Internet]. 2016 [citado em 2017 ago 25]. Disponível em: http://portalsinan.saude.gov.br/sinan-net

United States of America. Department of Health & Human Services. Epi Info, versão 3.5.2. Atlanta; 2010.

IBM. IBM SPSS Statistics, versão 19.0. Armonk; 2011.

Neter J, Kutner MH, Nachtschiem CJ, Wasserman W. Applied Linear Statistical Models. Chicago: Irwin Series in Statistics; 1996.

Brasil. Fundação Oswaldo Cruz. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas [Internet]. 2016 [citado em 2018 abr 5]. Disponível em: https://sinitox.icict.fiocruz.br/dados-nacionais

Barbosa FO, Teixeira AP, Santos AMF, Mariz SR, Cardoso TN. Intoxicação em idosos registradas pelo CEATOX CG (2009-2012): análise epidemiológica e desenvolvimento de estratégias de prevenção. 3o Congresso Internacional de Envelhecimento Humano; 2013 jun 13-15; Campina Grande (PB). Campina Grande (PB): Universidade Estadual da Paraíba; 2013.

Schmidt MLG, Godinho PH. Um breve estudo acerca do cotidiano do trabalho de produtores rurais: intoxicações por agrotóxicos e subnotificação. Rev Bras Saúde Ocup. 2006;31(113):27 40.

Rangel FC, Rosa SAC, Sarcinelli NP. Uso de agrotóxicos e suas implicações na exposição ocupacional e contaminação ambiental. Cad Saude Colet (Rio J.). 2011;19(4):435 42.

Oliveira MJA, Azevedo MLG, Santos SLF, Ferreira SCH, Macedo Arraes MLB. Automedicação e prescrição farmacêutica: o conhecimento do perfil de utilização de medicamentos pela população geriátrica. Mostra Científica de Farmácia. 2017;3(1).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010: população do Brasil é de 190.732.694 pessoas [Internet]. 2010 [citado em 2018 jun 15]. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo.html?busca=1&id=3&idnoticia=1766&t=censo-2010-populacao-brasil-190-732-694-pessoas&view=noticia

Marques MB, Bortoletto ME, Bezerra MCC, Santana RAL. Avaliação da rede brasileira de Centros de Controle de Intoxicações a Envenenamento – CCIEs. Cad Saude Publica. 1995;11(4):560 78.

Paumgartten FJR. Avaliação de risco de substâncias químicas: o elo entre a toxicologia e a saúde pública. Cad Saude Publica. 1993;9(4):439 47.

Szerwieski LLD. Doenças Crônicas não Transmissíveis e a Polifarmácia em Idosos. Revista Uningá Review. 2018;27(2):36 41.

Secoli SR. Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Rev Bras Enferm. 2010;63(1):136 40.

Santos CB. Mortalidade por suicídio em idosos no estado do Rio Grande do Sul e no município de Porto Alegre, 2001-2015 [trabalho de conclusão de curso]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2018.

Carmo EA, Santos PHS, Ribeiro BS, Soares CJ, Santana MLAD, Bonfim ES, et al. Características sociodemográficas e série temporal da mortalidade por suicídio em idosos no estado da Bahia, 1996-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2018;27(1):e20171971.

Silva RM, Mangas RMN, Figueiredo AEB, Vieira LJES, Sousa GS, Cavalcanti AMTS, et al. Influências dos problemas e conflitos familiares nas ideações e tentativas de suicídio de pessoas idosas. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(6):1703 10.

Minayo MCS, Cavalcante FG. Suicídio entre pessoas idosas: revisão da literatura. Rev Saúde Pública. 2010;44(4):750 7.

Gummin DD, Mowry JB, Spyker AD, Brooks DE, Fraser MO, Banner W. 2016 Annual Report of the American Association of Poison Control Centers’ National Poison Data System (NPDS): 34th Annual Report. Clin toxicol (Phila). 2017;55(10):1072 254.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira [Internet]. 2017 [citado em 2018 jun 20]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101459.pdf

Publicado
2020-03-31
Seção
Artigos originais de temas livres