AVANÇOS E DESAFIOS PARA GARANTIA DO ACESSO A MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESPECIALIZADO

  • Priscila Moreira Lauton Universidade do Estado da Bahia
  • Marcelo Ney de Jesus Paixão Universidade do Estado da Bahia
Palavras-chave: Assistência farmacêutica, Medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica, Acesso a serviços de saúde

Resumo

Um dos grandes desafios para a gestão da assistência farmacêutica no Sistema Único de Saúde é estabelecer uma forma sustentável de garantir o financiamento e o acesso aos medicamentos, considerando os elevados custos da assistência à saúde. O Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (Ceaf) é fruto da evolução constante da assistência farmacêutica no Brasil e constitui-se em uma estratégia de acesso aos tratamentos mais complexos, que necessitam de tecnologias e recursos de saúde diferenciados. Assim, o objetivo deste estudo é investigar os avanços conquistados e os desafios enfrentados na garantia do acesso a medicamentos do Ceaf. Trata-se de uma revisão integrativa baseada na literatura, para a qual foram selecionadas 38 publicações. Foram identificados avanços importantes como a centralização da aquisição parcial dos medicamentos especializados, a definição de valores unitários e a isenção de impostos para medicamentos adquiridos pelos estados com recurso da União, além da racionalização na incorporação de novas tecnologias. Porém, foram identificados alguns desafios que ainda precisam ser superados, como a falta de organização e de estruturação dos serviços farmacêuticos, a ausência de um sistema de informação unificado, a constante pressão para incorporação de novas tecnologias e a judicialização da saúde. Para garantir o acesso sustentável aos medicamentos do Ceaf é necessário desenvolver ações como a integração dos serviços do nível central com as unidades assistenciais, a otimização dos sistemas de informação e estruturação e melhorias do fluxo logístico dos serviços farmacêuticos. Essas medidas podem qualificar o acesso ao tratamento medicamentoso pelo Sistema Único de Saúde e contribuir para o fortalecimento da assistência farmacêutica no Brasil.

Biografia do Autor

Priscila Moreira Lauton, Universidade do Estado da Bahia

Farmacêutica. Especialista em Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil.

Marcelo Ney de Jesus Paixão, Universidade do Estado da Bahia

Farmacêutico. Mestre em Gestão Social. Docente da Universidade do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.554, de 30 de julho de 2013. Dispõe sobre as regras de financiamento e execução do componente especializado da assistência farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2013 jul 31. Seção 1, p. 69.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Curso para qualificação nacional em assistência farmacêutica com foco no Componente Especializado (Ceaf). Brasília (DF); 2016.

Silva RCS. Medicamentos excepcionais no âmbito da assistência farmacêutica no Brasil [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca da Fiocruz; 2000.

Vieira FS. Gasto do Ministério da Saúde com medicamentos: tendência dos programas de 2002 a 2007. Rev Saúde Pública. 2009;43(4):674-81.

Carias C, Vieira F, Giordano C, Zucchi P. Medicamentos de dispensação excepcional: histórico e gastos do Ministério da Saúde do Brasil. Rev Saúde Pública. 2011;45(2):233-40.

Aperta J, Borges A, Cadilha D, Dimas F, Dinis C, Feio J, et al. Compras centralizadas na saúde. Rev Port Farmacoter. 2015;7(4):214-20.

Karjalainen K. Challenges of purchasing centralization: empirical evidence from public procurement [dissertação]. Helsinki: Helsinki Graduate School of Economics; 2009.

Fonseca EM, Costa NR. Federalismo, complexo econômico-industrial da saúde e assistência farmacêutica de alto custo no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(4):1165-76.

Alexandre RF, Domingues PHF, Bastos EA, Schneiders RE, Nascimento JM Jr. Acesso aos medicamentos incorporados no SUS: estratégias para garantia da sustentabilidade econômica. Rev Eletrônica Gest Saúde. 2015;6(supl. 4):3338-53.

Zanghelini F, Silva AS, Rocha Filho JA. A importância econômica da compra centralizada dos inibidores do fator de necrose tumoral-alfa em Pernambuco. Rev Eletrônica Farm. 2014;11(2):15-24.

Silva HP, Petramale CA, Elias FT. Advances and challenges to the Brazilian policy of health technology. Rev Saúde Pública. 2012;46(supl. 1):83-90.

Capucho HC, Salomon FCR, Vidal AT, Louly PG, Santos VCC, Petramale CA. Incorporação de tecnologias em saúde no Brasil: novo modelo para o Sistema Único de Saúde. Bol Inst Saúde. 2012;13(3):1215-22.

Santana RF, Lupatini EO, Leite SN. Registro e incorporação de tecnologias no SUS: barreiras de acesso a medicamentos para doenças da pobreza? Ciênc Saúde Colet. 2017;22(5):1417-28.

Macedo EI, Lopes LC, Barberato-Filho S. Análise técnica para a tomada de decisão do fornecimento de medicamentos pela via judicial. Rev Saúde Pública. 2011;45(4):706-13.

Souza RSP, Derruci MFA, Machado JA, Kremer GF. Importância da assistência farmacêutica na promoção do uso racional de medicamentos por meio da intervenção no processo de judicialização do SUS. Cons Fed Farm. 2016;4(4):67-72.

Pereira RM. Planejamento, programação e aquisição: prever para prover. Organização Pan-Americana da Saúde. Série Uso racional de medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica, vol. 1, n. 10. Brasília (DF): Opas; 2016.

Lavras C. Atenção primária à saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil. Saúde Soc. 2011;20(4):867-74.

Dias KE. A implantação do Hórus nas farmácias do SUS: uma proposta de ações para auxiliar esse processo [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2013.

Cavalcante MB, Silva PC, Ferreira MN. Sistemas de informação em saúde: possibilidades de desafios. Rev Enferm UFSM. 2011;1(2):290-9.

Brasil. Decreto nº 68.806, de 25 de junho de 1971. Institui a Central de Medicamentos (Ceme). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1971 jun 25. Seção 1, p. 4839.

Brasil. Ministério da Previdência e Assistência Social, Ministério da Saúde e da Educação e Cultura. Portaria Interministerial nº 3, de 15 de dezembro de 1982. Dispõe sobre a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais – Rename. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1982 dez 16. Seção 1, p. 23643.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF; 1990 set 20. Seção 1, p. 18055.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Portaria nº 142, de 6 de outubro de 1993. Inclui na Tabela de Valor de Procedimentos do SIA/SUS os medicamentos considerados excepcionais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1993 out 18. Seção 1, p. 33.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Portaria nº 204, de 6 de outubro de 1996. Cria novos códigos de medicamentos excepcionais na Tabela Descritiva de Procedimentos do SIA/SUS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF): 1996 nov 8. Seção 1, p. 23248.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Portaria nº 921, de 22 de novembro de 2002. Inclui, na Tabela Descritiva do SAI/SUS – grupo 36 – medicamentos, no subgrupo 35-antiparkinsonianos, o procedimento em anexo da Portaria. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2002 nov 25. Seção 1, p. 64.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.577, de 27 de outubro de 2006. Aprova o Componente de Medicamentos de Dispensação Excepcional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2006 out 26. Seção 1, p. 147.

Brasil. Ministério da Saúde. Componente Especializado da Assistência Farmacêutica: inovação para a garantia do acesso a medicamentos no SUS. Brasília (DF); 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 204, de 29 de janeiro de 2007. Regulamenta o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços de saúde, na forma de blocos de financiamento, com o respectivo monitoramento e controle. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF; 2007 jan 31. Seção 1, p. 45.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.981, de 26 de novembro de 2009. Aprova o Componente Especializado da Assistência Farmacêutica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2009 nov 30. Seção 1, p. 725.

Brasil. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1993 jun 29. Seção 1, p. 54.

Brasil. Ministério da Saúde. Decreto nº 7.646, de 21 de dezembro de 2011. Dispõe sobre a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde e sobre o processo administrativo para incorporação, exclusão e alteração de tecnologias em saúde pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2011 dez 22. Seção 1, p. 3.

Brasil. Ministério da Saúde. Inclusão de novos medicamentos e tecnologias no SUS dobra em 2012 [Internet]. Brasília (DF); 2013 fev 13 [citado em 2017 mar 23]. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/31931-inclusao-de-novos-medicamentos-e-tecnologias-no-sus-dobra-em-2012.html

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Aquisição de medicamentos para assistência farmacêutica no SUS: orientações básicas. Brasília (DF); 2006.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência Farmacêutica no SUS. Brasília (DF); 2007.

EcoDebate [Internet]. Benevides C, Galdo R. R$ 1 bilhão em remédios no lixo: falhas na compra e no armazenamento levam a desperdício de medicamentos no país. Rio de Janeiro (RJ); 2010 abr 26 [citado em 2017 jun 3]. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2010/04/26/r-1-bi-em-remedios-no-lixo-falhas-na-compra-e-no-armazenamento-levam-a-desperdicio-de-medicamento-no-pais

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.916, de 30 de outubro de 1998. Dispõe sobre a Política Nacional de Medicamentos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1998 nov 10. Seção 1, p. 18-22.

Organização Mundial da Saúde. O papel do farmacêutico na atenção à saúde: declaração de Tóquio. Genève; 1993

Organização Mundial da Saúde. Global Partnerships for Health. WHO Drug Inf. 1999;13(2):61-4.

Publicado
2020-11-25
Seção
Artigos originais de temas livres