PERSPECTIVA DE DESCENTRALIZAÇÃO E REGIONALIZAÇÃO DE UM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA NA BAHIA

  • Caique de Moura Costa Universidade Federal da Bahia
  • Marília Santos Fontoura Universidade Federal da Bahia
  • Silvia Santos Rocha Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Educação em saúde, Descentralização, Regionalização, Saúde pública

Resumo

O Curso de Especialização em Saúde Pública tem grande importância no cenário de oferta de ações de educação permanente em Saúde no estado da Bahia. Contribui para a formação de novos sanitaristas, para a organização e o desenvolvimento do processo de trabalho em saúde, entre outros. O grande número de inscrições para seleção para esta modalidade de especialização aponta para a necessidade de descentralização e regionalização, com vistas a contribuir para ampliar o acesso de profissionais à especialização na área da Saúde Pública. Como ferramenta de análise, utilizou-se mapas visuais que possibilitaram observar a distribuição entre demanda e oferta de vagas do Curso de Especialização em Saúde Pública. Tomou-se como objeto de análise o quantitativo total de inscritos interessados em se especializar e o número de matriculados no curso. Foi percebido que o número de interessados em especializar-se é superior ao número de vagas ofertadas, tanto na capital como em municípios e regiões do estado. Tais resultados permitem afirmar a existência de grande interesse por parte dos profissionais de saúde em se especializar, o que pode apontar uma necessidade de expansão deste tipo de curso para outras regiões da Bahia. Parece ser relevante para o conjunto de profissionais de saúde de diversas regiões a continuidade da oferta de vagas para o Curso de Especialização em Saúde Pública, de forma descentralizada, o que pode indicar ou fortalecer sua realização na modalidade EAD, possibilitando maior acesso e atendimento às necessidades de educação permanente dos municípios e regiões da Bahia.

Biografia do Autor

Caique de Moura Costa, Universidade Federal da Bahia

Sanitarista. Especialista em Saúde Coletiva sob a forma de residência na área de concentração em Planejamento e Gestão em Saúde. Salvador, Bahia, Brasil.

Marília Santos Fontoura, Universidade Federal da Bahia

Enfermeira Sanitarista. Doutora em Saúde Coletiva. Professora Adjunta da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil. E-mail: marilia.fontoura@saude.ba.gov.br

Silvia Santos Rocha, Universidade Federal da Bahia

O Curso de Especialização em Saúde Pública tem grande importância no cenário de oferta de ações de educação permanente em Saúde no estado da Bahia. Contribui para a formação de novos sanitaristas, para a organização e o desenvolvimento do processo de trabalho em saúde, entre outros. O grande número de inscrições para seleção para esta modalidade de especialização aponta para a necessidade de descentralização e regionalização, com vistas a contribuir para ampliar o acesso de profissionais à especialização na área da Saúde Pública. Como ferramenta de análise, utilizou-se mapas visuais que possibilitaram observar a distribuição entre demanda e oferta de vagas do Curso de Especialização em Saúde Pública. Tomou-se como objeto de análise o quantitativo total de inscritos interessados em se especializar e o número de matriculados no curso. Foi percebido que o número de interessados em especializar-se é superior ao número de vagas ofertadas, tanto na capital como em municípios e regiões do estado. Tais resultados permitem afirmar a existência de grande interesse por parte dos profissionais de saúde em se especializar, o que pode apontar uma necessidade de expansão deste tipo de curso para outras regiões da Bahia. Parece ser relevante para o conjunto de profissionais de saúde de diversas regiões a continuidade da oferta de vagas para o Curso de Especialização em Saúde Pública, de forma descentralizada, o que pode indicar ou fortalecer sua realização na modalidade EAD, possibilitando maior acesso e atendimento às necessidades de educação permanente dos municípios e regiões da Bahia.

Referências

Bahia (BR). Resolução CIB nº 275, de 15 de agosto de 2012. Aprova as regiões de saúde do estado da Bahia e a instituição das Comissões Intergestores Regionais. Salvador (BA); 2012 [citado em 2018 ago 22]. Disponível em: http://siteantigo.suvisa.ba.gov.br/sites/default/files/vigilancia_epidemiologica/doencas_transmissiveis/arquivo/2013/04/17/Resolu%C3%A7%C3%A3o%20CIB%20275-2012_2.PDF

Brasil. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde – SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2011 jun 29 [citado em 2018 Fev 2]. Seção 1, p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7508.htm

Blatt N. Territórios de identidade no estado da Bahia: uma análise da regionalização implantada pela estrutura governamental na perspectiva do desenvolvimento local e regional. Anais do Colóquio Baiano Tempos, Espaços e Representações; 2013 out 14-16; Salvador, Bahia. Salvador (BA): Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; 2013. p. 1-19.

Mello GA, Pereira APCM, Uchimura LYT, Iozzi FL, Demarzo MMP, Viana ALA. O processo de regionalização do SUS: revisão sistemática. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(4):1291-310.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília (DF); 2010 dez 31 [citado em 2018 ago 25]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2011/img/07_jan_portaria4279_301210.pdf

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. 2a ed. Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Rovere M. Redes en salud: un nuevo paradigma para el abordaje de las organizaciones y la comunidad. Rosario: Secretaría de Salud Pública; 1999.

Mello GA, Demarzo MMP. Novas escolas médicas e a regionalização. São Paulo (SP): Região e Redes; 2015.

Paim JS, Almeida Filho N. A crise da saúde pública e a utopia da saúde coletiva. Salvador (BA): Casa da Qualidade; 2000.

Fontoura MS. Trabalho como princípio educativo e sua relação com a construção do sistema único de saúde [tese]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 1996.

Hamblin AC. Avaliação e controle de treinamento. São Paulo (SP): McGraw Hill; 1978.

Kirkpatrick D, Kirkpatrick J. Evaluating training programs: four levels. San Francisco: Berrett-Koehler; 1993.

Abbad GS, Borges-Andrade JE, Gama ALG. Treinamento: análise do relacionamento da avaliação nos níveis de reação, aprendizagem e impacto no trabalho. Rev Adm Contemp. 2000;4(3):25-5.

Abbad GS, Freitas IA, Pilati R. Contexto de trabalho, desempenho competente e necessidades em TD&E. In: Abbad GS, Borges-Andrade JE, Mourão, L, organizadores. Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações de trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre (RS): Artmed; 2006. p. 231-54.

Borges-Andrade JE. Avaliação somativa de sistemas instrucionais: integração de três propostas. Tecnol Educ. 1982;11(46):29-32.

Borges-Andrade JE. Desenvolvimento de medidas em avaliação de treinamento. Estud Psicol. 2002;7(n. esp.):31-43.

Pereira MMA. Formação em Saúde Pública: avaliando processos e caminhos [trabalho de conclusão de curso]. Salvador (BA): Escola Estadual de Saúde Pública; 2017.

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia. Diretoria de Modernização Administrativa. Regiões de Saúde do Estado da Bahia [Internet]. Salvador (BA); 2018 [citado em 2018 set 13]. Disponível em: http://www1.saude.ba.gov.br/mapa_bahia/indexch.asp

Souza RMP, Costa PP. Redescola e a nova formação em saúde pública. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2017.

Bahia. Lei nº 10.851, de 10 de dezembro de 2007. Institui a atividade de instrutoria interna, no âmbito da administração pública do Poder Executivo Estadual, e dá outras providências. Salvador (BA); 2007 [citado em 2018 set 13]. Disponível em: http://leisestaduais.com.br/ba/lei-ordinaria-n-10851-2007-bahia-institui-a-atividade-de-instrutoria-interna-no-ambito-da-administracao-publica-do-poder-executivo-estadual-e-da-outras-providencias.

Publicado
2020-11-25
Seção
Artigos originais de temas livres