REDE CEGONHA POTENCIALIZANDO MUDANÇAS NA FORMAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

  • Débora Moura Universidade Federal da Bahia
  • Laíse Rezende de Andrade Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Desenvolvimento de pessoal, Sistema Único de Saúde, Saúde materna, Saúde da criança

Resumo

A Rede Cegonha tem como principais objetivos reduzir a mortalidade materna e infantil, dando atenção ao parto e ao nascimento, à mulher no puerpério e à criança na primeira infância. Entre os desafios colocados para a rede estão a necessidade de mudanças no modelo tecno-assistencial (que perpassam o modelo da formação em saúde) da atenção ao parto e ao nascimento, que ainda produz excesso de medicalização, banalização da cesárea, desrespeito aos direitos da mulher e da criança e cuidado diferenciado aos adolescentes e jovens. Desse modo, este artigo tem o objetivo de descrever e refletir sobre a experiência numa disciplina teórico-prática do curso de graduação em Fonoaudiologia da Universidade Federal da Bahia junto à Rede Cegonha. Nesse sentido, se debruça sobre um relato de experiência, na perspectiva docente, baseado em relatórios discentes, de um componente curricular teórico- -prático sobre a Rede Cegonha no curso mencionado. Foram visitados diversos serviços que compõem a RC no município de Salvador, como serviços de gestão, atenção primária à saúde e serviços especializados. Além da contribuição na construção de uma perspectiva prática sobre a Rede Cegonha, as visitas técnicas contribuíram para que os estudantes em formação pudessem refletir quanto ao modelo de profissional que aspiram ser e de que forma podem contribuir para mudanças positivas como sujeitos nos serviços de saúde. As peculiaridades da Rede Cegonha demandam uma formação específica do profissional da saúde para a atuação neste dispositivo inovador, o que ainda representa um desafio para as diferentes profissões.

Biografia do Autor

Débora Moura, Universidade Federal da Bahia

Fonoaudióloga Sanitarista. Mestre em Saúde Coletiva. Docente substituta do curso de fonoaudiologia e coordenadora pedagógica da Residência em Saúde Coletiva com ênfase em desenvolvimento infantil na Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Laíse Rezende de Andrade, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Saúde Pública. Docente do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método canguru. 2a ed. Brasília (DF); 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde ¬– SUS – a Rede Cegonha. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF): 2011 jun 27. Seção 1, p. 109.

Martinelli KG, Santos Neto ET, Gama SG, Oliveira AE. Adequação do processo da assistência pré-natal segundo os critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento e Rede Cegonha. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014;36(2):56-64.

Pasche DF, Vilela MEA, Martins CP. Humanização da atenção ao parto e nascimento no brasil: pressuposto para uma nova ética na gestão e no cuidado. Tempus. 2010;4(4):105-17.

Ferreira RC, Fiorini VML, Crivelaro E. Formação profissional no SUS: o papel da atenção básica em saúde na perspectiva docente. Rev Bras Educ Med. 2010;34(2):207-15.

Dominicé P. A epistemologia da formação ou como pensar a formação. In: Macedo RS, Pimentel A, Reis LR, Azevedo OB, organizadores. Currículo e processos formativos: experiências, saberes e culturas. Salvador (BA): Edufba; 2012. p. 19-38.

Soares VMN, Souza KV, Azevedo EMM, Possebon CR, Marques FF. Causas de mortalidade materna segundo níveis de complexidade hospitalar. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012;34(12):536-43.

Valença CN, Germano RM, Malveira FAZ, Azevêdo LMR, Oliveira AG. Articulação teoria/prática na formação em saúde e a realidade do Sistema Único de Saúde. Rev Enferm UERJ. 2014;22(6):830-5.

Acioli S. A prática educativa como expressão do cuidado em saúde pública. Rev Bras Enferm. 2005;61(1):117-21.

Marran AL, Lima PL. Estágio curricular supervisionado no Ensino Superior brasileiro: algumas reflexões. E-Curriculum. 2011;7(2)1-19.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. 5a ed. Brasília (DF); 2012.

Fernandes RZS, Vilela MFG. Estratégias de integração das práticas assistenciais de saúde e de vigilância sanitária no contexto de implementação da Rede Cegonha. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(11):4457-66.

Campos GWS, Figueiredo MD, Pereira N Jr, Castro CP. Application of Paideia methodology to institutional support, matrix support and expanded clinical practice. Interface. 2014;18(supl. 1):983-95.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e conquistas. Brasília (DF); 2010.

Coelho KR. Avaliação do grau de implantação do programa de humanização do parto e nascimento no médio vale do Jequitinhonha em Minas Gerais [tese]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2014.

Giovanni MD. Rede Cegonha: da concepção à implantação [dissertação]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2013.

Publicado
2020-11-25
Seção
Artigos originais de temas livres