MORTALIDADE INFANTIL E FETAL: ANÁLISE DOS CASOS NO MUNICÍPIO DE BARREIRAS, BAHIA, 2008-2017

  • Juliana Melo do Amaral Carvalho
  • Luciano de Paula Moura
Palavras-chave: Mortalidade infantil e fetal, Sistema de Informação sobre Mortalidade, Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos

Resumo

O índice de mortalidade infantil tem sido utilizado por muitos gestores como justificativa para implantação/implementação de políticas e programas com a finalidade de melhorar as condições de saúde e ampliar o acesso a serviços de saúde à gestante e ao recém-nascido. Tal proposta tem a premissa de reduzir a taxa de mortalidade infantil e neonatal a partir da melhoria da qualidade do pré-natal, do puerpério e do desenvolvimento da criança. O município de Barreiras, entre 2008 e 2017, apresentou flutuações no coeficiente de mortalidade infantil e fetal, com menor percentual em 2008 (11,13%) e maior em 2009 (18,37%). Todavia, apesar dessa flutuação, quando se compara o ano inicial ao último ano estudado, verifica-se uma tendência à ampliação dos números. Para entender esse comportamento, realizou-se um estudo da mortalidade infantil e fetal entre os anos de 2008 e 2017, enfatizando os fatores predisponentes e as causas dos óbitos, por meio de dados presentes no Datasus, no Sistema de Informação sobre Mortalidade e no Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Entre as principais causas de óbitos infantis e fetais evitáveis registrados estão: sífilis em gestante, sífilis congênita, afecções infantis/ fetais associadas à infecção do trato urinário materno, transtornos hipertensivos maternos, complicações da placenta, cordão umbilical e membranas afetando feto e recém-nascidos, doenças pulmonares, prematuridade, sepse neonatal e hipóxia/anóxia.

Biografia do Autor

Juliana Melo do Amaral Carvalho

Enfermeira Sanitarista. Especialista em Gestão. Barreiras, Bahia, Brasil.

Luciano de Paula Moura

Sanitarista. Mestre em Gestão de Sistemas de Saúde. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Paim JS. Modelos de atenção e vigilância da saúde. In: Rouquayrol MZ, Almeida Filho N, editores. Epidemiologia & saúde. 6a ed. Rio de Janeiro (RJ): Medsi; 2003. p. 567-603.

Costa MCN, Azi PA, Paim JS, Silva LMV. Mortalidade infantil e condições de vida: a reprodução das desigualdades sociais em saúde na década de 90. Cad Saúde Pública. 2001;17(3):555-67.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.459, 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Rede Cegonha. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2011 jun 27. Seção 1, p. 109.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal. 2a ed. Brasília (DF); 2009.

United Nations. Millennium Declaration [Internet]. Genève; 2000 [citado em 2020 set 9]. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/ProfessionalInterest/Pages/Millennium.aspx

Lansky S, Franca E, Perpétuo IH, Ishitani L. A mortalidade infantil: tendências da mortalidade neonatal e pós-neonatal. In: Brasil. Ministério da Saúde. 20 anos do SUS. Brasília (DF); 2009. p. 83-112.

Brasil. Rede Interagencial de Informações para a Saúde. Indicadores de mortalidade [Internet]. Brasília (DF); 2012 [citado em 2014 mar 26]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/c01b.htm

Brasil. Departamento de Informática do SUS. Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Óbitos fetais: Bahia [Internet]. Brasília (DF); 2020 [citado em 2018 jun 18]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/fet10ba.def

Brasil. Departamento de Informática do SUS. Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc). Nascidos vivos: Bahia [Internet]. Brasília (DF); 2020 [citado em 2018 jun 18]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nvba.def

Alves AC, França E, Mendonça ML, Rezende EM, Ishitani LH, Côrtes MCJW. Principais causas de óbitos infantis pós-neonatais em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 1996 a 2004. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2008;8(1):27-33.

Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Objetivos de desenvolvimento do milênio: relatório nacional de acompanhamento [Internet]. Brasília (DF); 2010 [citado em 2018 junho 18]. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/100408_relatorioodm.pdf

França EB, Lansky S, Rego MAS, Malta DC, França JS, Teixeira R, et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de carga global de doença. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(supl. 1):46-60.

Guimarães MJB, Marques NM, Melo Filho DA, Szwarcwald CL. Condições de vida e mortalidade infantil: diferenciais intra-urbanos no Recife, Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. 2003;19(5):1413-24.

Publicado
2020-11-25
Seção
Artigos originais de temas livres