EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: REVISÃO DE LITERATURA

  • Layse Tatiane Ferreira Santos
  • Ignês Beatriz Oliveira Lopes
Palavras-chave: Educação em saúde, Promoção da saúde, Origem étnica e saúde

Resumo

Um dos aportes da promoção de saúde é a educação em saúde, que visa contribuir com o aumento do conhecimento sobre saúde pela comunidade. As comunidades quilombolas são grupos étnico-raciais, minoritários dentro da população negra, que enfrentam algumas dificuldades no acesso aos serviços e ações de educação em saúde. O objetivo deste estudo é realizar uma revisão exploratória da literatura referente às ações de educação em saúde realizadas em comunidades quilombolas brasileiras. Trata-se de uma revisão de literatura, executada nas bases de dados LILACS, PubMed/Medline e SciELO, além de busca nas listas de referências de outros estudos publicados com essa temática. De maneira geral, os estudos encontrados, apontaram algumas das deficiências e necessidades das populações quilombolas, mesmo não sendo demandas espontâneas ou levantadas pela própria comunidade, a utilização de instrumentos aplicados pré e pós intervenção em alguns deles, demonstraram que as atividades contribuíram para a ampliação do conhecimento dos sujeitos sobre sua própria saúde. A educação, a informação e a comunicação em saúde são elementos constitutivos da promoção da saúde, que, segundo a concepção ampliada de saúde, é base constitutiva dos princípios do Sistema Único de Saúde. Por isso, é importante que se criem estratégias para execução de ações de educação em todos os níveis. Neste estudo, constatou-se que a literatura a respeito do tema educação em saúde ainda pode ser muito desenvolvida, principalmente quando se trata de comunidades quilombolas, especificamente.

Biografia do Autor

Layse Tatiane Ferreira Santos

Fisioterapeuta. Especialista em Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil.

Ignês Beatriz Oliveira Lopes

Fisioterapeuta. Mestra em Políticas Públicas, Gestão do Conhecimento e Desenvolvimento Regional. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Cincurá RNS. Promoção da saúde na atenção primária: proposição de um modelo e sua aplicação na análise de ações desenvolvidas no Brasil [dissertação]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2014.

Souza ATS, Rodrigues AK, Santana CMN, Gomes GM, Amaral LRS, Pereira SAP. Promoção de saúde com crianças da comunidade quilombola Custaneira/Tronco em Paquetá-PI: um relato de experiência. Rev Interdiscip. 2016;9(2):198-205.

Candeias NMF. Conceitos de educação e de promoção em saúde: mudanças individuais e mudanças organizacionais. Rev Saúde Pública. 1997;31(2):209-13.

Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Guia de políticas públicas para comunidades quilombolas [Internet]. Brasília (DF); 2013 [citado em 2017 mar 10]. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/centrais-de-conteudo/igualdade-racial/guia-de-politicas-publicas-para-comunidades-quilombolas/view.

Freitas DA, Caballero AD, Marques AS, Hernández CIV, Antunes SLNO. Saúde e comunidades quilombolas: uma revisão da literatura. Rev CEFAC. 2011;13(5):937-43.

Meneses RCT, Zeni PF, Oliveira CCC, Melo CM. Promoção de saúde em população quilombola nordestina – análise de intervenção educativa em anemia falciforme. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015;19(1):132-9.

Rodrigues SA, Lucas MG, Cerqueira STS, Braga AS, Vaz LG. Educação em saúde em comunidades quilombolas. Rev Gaúcha Odontol. 2011;59(3):445-51.

Siqueira SMC, Jesus VS, Santos ENB, Whitaker MCO, Sousa BVN, Camargo CL. Atividades extensionistas, promoção da saúde e desenvolvimento sustentável: experiência de um grupo de pesquisa em enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2017;21(1):e20170021.

Riscado JLS, Oliveira MAB, Brito AMBB. Vivenciando o racismo e a violência: um estudo sobre as vulnerabilidades da mulher negra e a busca de prevenção do HIV/aids em comunidades remanescentes de quilombos, em Alagoas. Saúde Soc. 2010;19(2):96-108.

Rocha RVS, Santos LA. Psicologia e promoção da saúde: fortalecimento dos direitos humanos em comunidades tradicionais. Rev Bras Psicol. 2015;2(esp.):61-72.

Biscarde DGS, Pereira-Santos M, Silva LB. Formação em saúde, extensão universitária e Sistema Único de Saúde (SUS): conexões necessárias entre conhecimento e intervenção centradas na realidade e repercussões no processo formativo. Interface. 2014;18(48):177-86.

Oliveira RCN, Souza JGS, Oliveira CC, Oliveira LFB, Popoff DAV, Martins AMEBL, et al. Acesso a orientações de higiene bucal entre escolares da rede pública de ensino. Rev Odontol Unesp. 2014;43(6):414-20.

Diniz D, Guedes C, Trivelino A. Educação para a genética em saúde pública: um estudo de caso sobre a anemia falciforme. Ciênc Saúde Colet. 2005;10(2):365-72.

Gir E, Canini SRMS, Prado MA, Carvalho MJ, Duarte G, Reis RK. A feminização da Aids: conhecimento de mulheres soropositivas sobre a transmissão e prevenção do HIV–1. DST J Bras Doenças Sex Transm. 2004;16(3):73-6.

Conte M, Mayer RTR, Reverbel C, Sbruzzi C, Menezes CB, Alves GT, et al. Redução de danos e saúde mental na perspectiva da Atenção Básica. Bol Saúde. 2004;18(1): 59-77.

Publicado
2020-11-25
Seção
Artigos originais de temas livres