CONHECIMENTO DA GESTANTE E DIREITOS ASSEGURADOS PELA REDE CEGONHA: CONTRIBUIÇÃO GESTORA

  • Greice da Silva Gouveia
  • Gesilda Meira Lessa Escola Estadual de Saúde Pública do Estado da Bahia
Palavras-chave: Rede Cegonha, Direito, Informação

Resumo

A Rede Cegonha, operacionalizada pelo Sistema Único de Saúde, busca um novo modelo de atenção ao parto, ao nascimento e à saúde da criança. Este estudo objetiva identificar, por meio da literatura científica, possibilidades de promoção do conhecimento da gestante em relação aos direitos de saúde assegurados pela Rede Cegonha. Trata-se de estudo exploratório, com revisão da literatura publicada entre os anos de 2012 e 2016, em abordagem qualitativa e análise crítica. Indicam-se dois aspectos transversais ao conhecimento da gestante, estratégias de empoderamento, gestão e efetivação de seus direitos. O primeiro, sobre o conhecimento dos direitos pelas gestantes em relação à Rede Cegonha; o segundo, relativo às estratégias gestoras, individuais e coletivas para a promoção desse conhecimento. Levantados entre os direitos mais citados no que diz respeito ao conhecimento das gestantes estão a garantia do pré-natal gratuito e de qualidade e a presença do acompanhante no trabalho de parto, parto e pós-parto que, apesar dos avanços, ainda não possuem ampla efetividade. Quanto à segunda dimensão, relativa às estratégias gestoras, individuais e coletivas para a promoção desse conhecimento, ganha relevância, como ferramenta gestora, os direitos das gestantes discutidos com foco nas políticas públicas brasileiras, a atuação dos gestores na implementação da Rede Cegonha para sua qualificação, a fiscalização dos serviços e a avaliação da assistência.

Biografia do Autor

Greice da Silva Gouveia

Enfermeira. Especialista em Gestão da Atenção Básica com ênfase nas Redes de Atenção à Saúde. Madre de Deus,
Bahia, Brasil.

Gesilda Meira Lessa, Escola Estadual de Saúde Pública do Estado da Bahia

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente colaboradora da Escola Estadual de Saúde Pública do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Rede Cegonha. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2011 jun 27. Seção 1, p. 109.

Silva LCFP, Areias LL, Martinho AJ, Luz FA, Nascimento SRG, Ribeiro FF, et al. Direitos da gestante e do bebê: uma revisão bibliográfica. Rev Âmbito Jurídico. 2013;16(113).

Paschoal A, Silva LCFP, Santinon EP, Fernandes JCV, Catão MD, Dias VM, et al. Direitos no período gravídico-puerperal: conhecimento das gestantes. Rev Âmbito Jurídico. 2013;16(13).

Carvalho VF, Kerber NPC, Azambuja EP, Bueno FF, Silveira RS, Barros AM. Direitos das parturientes: conhecimento da adolescente e acompanhante. Saúde Soc. 2014;23(2):572-81.

Rodrigues ESRC, Torquato JA, Davim RMB, Oliveira LF, Alves ESRC, Nóbrega MF. Percepção das mulheres sobre seus direitos no ciclo gravídico-puerperal. Rev Enferm UFPE on line. 2016;10(5):1796-804.

Moura AF, Fernandes RVL, Cavalcante KC, Martins RST, Damasceno AKC. Avaliação pré e pós-teste de estratégia educativa sobre direitos na gestação baseados na Rede Cegonha. Anais do 8º Congresso Brasileiro de Enfermagem Obstétrica e Neonatal; 2013 out-nov 30-1; Florianópolis, SC: Cobeon; 2013.

Cavalcante KC, Martins RST, Carrion PMM, Martins CF, Damasceno AKC. Oficina educativa sobre aspectos legais e direitos durante o ciclo gravídico-puerperal. Anais do 8º Congresso Brasileiro de Enfermagem Obstétrica e Neonatal; 2013 out-nov 30-1; Florianópolis, SC: Cobeon; 2013.

Geniake LMV, Lima JAS, Lourenço GM, Zarpellon LD. Oficinas educativas com gestantes: uma intervenção na Unidade de Saúde da Família. Rev Educ Popular. 2015;14(1):136-44.

Publicado
2020-11-25
Seção
Artigos originais de temas livres