INSERÇÃO DO NUTRICIONISTA NA EQUIPE MÍNIMA DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

  • Livia Nascimento dos Santos Escola de Saúde Pública da Bahia Professor Jorge Novis
  • Flávia Lima de Carvalho Escola de Saúde Pública da Bahia Professor Jorge Novis
Palavras-chave: Nutricionistas, Sistema Único de Saúde, Saúde pública, Estratégia Saúde da Família

Resumo

É contraditório pensar em promoção, proteção e recuperação da saúde sem a presença do nutricionista. Dessa forma, o objetivo do trabalho é relatar as ações desenvolvidas com a inserção do nutricionista na equipe de saúde em uma unidade da Estratégia Saúde da Família, em Salvador (BA). Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência, realizado durante o Estágio Supervisionado de Nutrição em Saúde Pública, em uma unidade de saúde da família em Salvador, apresentando ações de abordagens individuais e em grupos. Como resultado foi possível identificar que as ações, os temas e as dinâmicas aplicadas foram bem vistas pela população adstrita possibilitando reflexão e promoção de mudança de hábitos, tornando a assistência integral e resolutiva. Dessa forma, o nutricionista pode atuar na equipe mínima de saúde, sendo essencial a sua integração à equipe, tornando o atendimento mais integral, universal, resolutivo e equânime, conforme o SUS defende.

Biografia do Autor

Livia Nascimento dos Santos, Escola de Saúde Pública da Bahia Professor Jorge Novis

Nutricionista. Pós-graduanda em Saúde Pública na Escola de Saúde Pública da Bahia Professor Jorge Novis. Salvador, Bahia, Brasil.

Flávia Lima de Carvalho, Escola de Saúde Pública da Bahia Professor Jorge Novis

Nutricionista. Mestre em Saúde Coletiva. Orientadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Escola de Saúde Pública da Bahia Professor Jorge Novis. Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: norma técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – Sisvan. Brasília (DF); 2011.

Geus LMMA. Importância na inserção do nutricionista na Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(supl. 1):797-804.

Boog MCF. Atuação do nutricionista em saúde pública na promoção da alimentação saudável. Ciênc Saúde. 2008;1(1):33-42.

Santos AC. A inserção do nutricionista na estratégia de saúde da família: o olhar de diferentes trabalhadores da saúde. Fam Saúde Desenvolv. 2005;7(3):257-65.

Costa K, Santana PR. A importância e o papel do nutricionista na Atenção Básica em Vitória de Santo Antão/PE. Tempus. 2011;5(4):67-85.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Arq Bras Cardiol. 2006;84(1):1-28.

Rodrigues DCM, Bosi MLM. O lugar do nutricionista nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Rev Nutr. 2014;27(6):735-46.

Rodrigues DCM, Rodrigues CMM, Nunes GM, Lira MRB, Melo PTH, Matos TA, et al. Por onde andei: caminhos percorridos pelos nutricionistas residentes na Estratégia de Saúde da Família de Sobral-CE. Sanare. 2009;8(2):41-51

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o Funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1990 set 20. Seção 1, p. 1.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes do Nasf: Núcleo de Apoio Saúde da Família. Brasília (DF); 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Contribuições dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família para a Atenção Nutricional. Brasília (DF); 2017.

Veloso NS, Rodrigues CAQ, Leite MTS, Ottoni JLM, Veloso GCC, Rodrigues RM, et al. Tabagismo: a percepção dos fumantes em um grupo de educação em saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2011;6(20):193-208.

Publicado
2020-11-25
Seção
Relato de experiências