INTERAÇÕES ENTRE COVID-19 E ARBOVIROSES NA BAHIA: UMA ABORDAGEM SINDÊMICA

  • Ramon da Costa Saavedra Secretaria da Saúde do Estado da Bahia
  • Luciana Bahiense da Costa Secretaria da Saúde do Estado da Bahia
  • Anna Ariane Alves Silva Varjão Secretaria da Saúde do Estado da Bahia
  • Marcio Pires dos Santos Secretaria da Saúde do Estado da Bahia
  • Maiane Ferreira dos Santos Secretaria da Saúde do Estado da Bahia
Palavras-chave: Sindemia, covid-19, arboviroses, epidemiologia

Resumo

Sindemia é a interação entre duas ou mais doenças, podendo causar danos maiores do que a simples soma dessas. Na Bahia, a chegada do novo coronavírus foi precedida por um contexto epidemiológico alarmante quanto às arboviroses, com aumento exponencial de casos de chikungunya e registro de maior coeficiente de incidência de dengue da última década. Este artigo analisa indicadores e fatores de risco dos agravos para estabelecer interações nas dinâmicas epidemiológicas e o impacto causado nos serviços de saúde. O estudo foi realizado entre as semanas epidemiológicas 11 e 40 de 2020, com dados coletados no e-SUS Notifica, Sivep-Gripe (Covid19), Sinan On-line (chikungunya e dengue) e Sinan Net (zika). As análises foram elaboradas por meio do programa estatístico R versão 3.6.3, incluindo descritiva e de risco relativo entre comorbidades e óbito por Covid-19. No período analisado, observou-se que as maiores incidências para a sindemia ocorreram nas macrorregiões Sul (260.040), Centro Leste (200.135) e Sudoeste (148.130), com destaque para Covid-19 e dengue. Para dengue, as maiores incidências coincidiram com a elevada incidência para Covid-19. A análise multivariada demonstrou que a presença de diabetes, doenças respiratórias, cardíacas e renais aumentaram o risco de óbito por Covid-19. As medidas de prevenção e controle dessas doenças são complexas, considerando que não existem vacinas e drogas específicas. Torna-se, portanto, imprescindível a intensificação de políticas públicas mais abrangentes, voltadas à compreensão da interação entre essas doenças em um contexto social e ambiental caracterizado por profundas desigualdades e que exacerba o impacto das ocorrências simultâneas.

Biografia do Autor

Ramon da Costa Saavedra, Secretaria da Saúde do Estado da Bahia

Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep). Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Luciana Bahiense da Costa, Secretaria da Saúde do Estado da Bahia

Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep). Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Anna Ariane Alves Silva Varjão, Secretaria da Saúde do Estado da Bahia

Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep). Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Marcio Pires dos Santos, Secretaria da Saúde do Estado da Bahia

Centro Estadual Especializado em Diagnóstico, Assistência e Pesquisa (Cedap). Secretaria de Saúde do Estado da Bahia.

Maiane Ferreira dos Santos, Secretaria da Saúde do Estado da Bahia

Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep). Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Singer M. Introduction to syndemics: a critical systems approach to public and community health. San Francisco: Jossey Bass; 2009.

Mendes EV. O lado oculto de uma pandemia: a terceira onda da Covid-19 ou o paciente invisível. Brasil; 2020.

Singer M, Bulled N, Ostrach B, Mendenhall E. Syndemics and biosocial conception of health. The Lancet. 2017;389(10072):941-50.

Horton R. COVID-19 is not a pandemic. The Lancet. 2020;396(10255):874.

Santos RNA, Duarte GAB, Castanheira LS, Valiati NCM, Gitti CB. A importância da vigilância e prevenção de arboviroses em meio à pandemia de Covid-19. Anais do 2. Congresso de Saúde Coletiva da UFPR; 2020 jul 27-31. Curitiba (PR): UFPR; 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. 3. ed. [Internet]. Brasília (DF); 2019 [citado em 2020 dez 15]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf

Magalhães T, Chalegre KDM, Braga C, Foy BD. The Endless Challenges of Arboviral Diseases in Brazil. Trop Med Infect Dis. 2020;5(2):75.

Mascarenhas MDM, Batista FMA, Rodrigues MTP, Barbosa OAA, Barros VC. Ocorrência simultânea de COVID-19 e dengue: o que os dados revelam? Cad Saúde Pública. 2020;36(6):e00126520.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional pela Doença pelo Coronavírus 2019. Vigilância de Síndromes Respiratórias Agudas COVID-19. Brasília (DF); 2020 [citado em 2021 fev 8]. Disponível em: https://portalarquivos.saude.gov.br/images/af_gvs_coronavirus_6ago20_ajustes-finais-2.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE: Brasil/Bahia [Internet]. c2017 [citado em 2020 dez 14]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/panorama

Singer M. Pathogen-pathogen interaction: a syndemic model of complex biosocial processes in disease. Virulence. 2010;1(1);10-8.

Shial S, Kraud KD, Valera P, Swaminathan S, Halkitis PN. The burden of COVID-19 in people living with HIV: A Syndemic Perspective. AIDS Behav. 2020;24(8):2244-9.

Kouri GP, Guzman MG, Bravo JR. Dengue Hemorrágico en Cuba: crónica de una epidemia. Bol Oficina Sanit Panam. 1986;100(3):322-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Febre de Chikungunya: manejo clínico. Brasília (DF); 2015 [citado em 2020 dez 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/febre_chikungunya_manejo_clinico.pdf

Codeço CT, Coelho FC. Redes: Um olhar sistêmico para a epidemiologia de doenças transmissíveis. Ciênc Saúde Colet. 2008;13(6);1767-74.

Gravlee CC. Systemic racism, chronic health inequities, and COVID-19: A syndemic in the making? Am J Hum Biol. 2020;32(5):e23482.

Publicado
2021-04-07
Seção
Artigos originais de temas livres