PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS E ÓBITOS POR SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE CONFIRMADOS PARA COVID-19

  • Adriana Dourado Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Aline Anne Ferreira Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Tassiany Trindade secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Ada Tittoni Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
Palavras-chave: Covid-19, síndrome respiratória aguda grave

Resumo

A vigilância da Síndrome Respiratória Aguda Grave foi instituída em 2009, devido à pandemia do vírus influenza A(H1N1) pdm09. Desde então, tem sido a estratégia para monitoramento da circulação dos vírus respiratórios no Brasil. Com a pandemia do Coronavírus (SARS-CoV-2) em 2020, os casos hospitalizados foram incorporados ao Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEP-Gripe). Este artigo tem como objetivo analisar o perfil epidemiológico dos casos e óbitos por SRAG confirmados para Covid-19 no estado da Bahia, no período de janeiro a outubro de 2020. Trata-se de um estudo descritivo de corte transversal que tem como fonte de dados o SIVEP-Gripe. Os dados foram tabulados através do programa TabWin e analisados no Excel 2016. O número de casos notificados para SRAG foi 30.865, sendo 17.092 confirmados para Covid-19 e, desses, 6.813 tiveram como desfecho o óbito. Devido à magnitude dos resultados da infecção pelo SARS-CoV-2, tornou-se imprescindível a ampliação das estratégias sanitárias de prevenção do adoecimento e agravamento dos casos a fim de prevenir o aumento do número óbitos.

Biografia do Autor

Adriana Dourado, Secretaria de Saúde do Estado da Bahia

Sanitarista da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia e Fiscal de controle Sanitário da Secretaria Municipal de Salvador. Mestre em Saúde Coletiva pelo Instituto de Saúde Coletiva (ISC/UFBA). Possui graduação em odontologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Especialista em Medicina Social com Formação Multiprofissional em Saúde da Família e Especialista em Saúde Coletiva - área de concentração Vigilância Epidemiológica pelo Instituto de Saúde Coletiva (ISC/UFBA). Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em vigilância epidemiológica.

Aline Anne Ferreira, Secretaria de Saúde do Estado da Bahia

Sanitarista da Diretoria de Vigilância Epidemiológica - Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Mestrado em Saúde Coletiva pelo Instituto de Saúde Coletiva (ISC/UFBA). Especialização em Saúde Pública pelo Instituto Brasileiro de Pós-Graduação e Extensão (2005).

Tassiany Trindade , secretaria de Saúde do Estado da Bahia

Enfermeira da Diretoria de Vigilância Epidemiológica - Secretaria de Saúde do estado da Bahia. Mestranda em Saúde Coletiva com área de concentração em Epidemiologia pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/UFBA). Especialista em Saúde da Família e Comunidade pela Secretária de Saúde de Sorocaba/SP. Enfermeira pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB/Campus VII). Membro do Programa Integrado em Epidemiologia e Avaliação de Impactos na Saúde das Populações do Instituto de Saúde Coletiva (ISC/UFBA). Integrou o Grupo de Pesquisa sobre Cuidado em Enfermagem (GPEnf/UNEB, Campus VII). Atuou como membro da Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente (REBRAENSP/Polo São Paulo/ Núcleo Sorocaba). Tem experiência em: atenção básica com ênfase em estratégia de saúde da família; saúde mental; saúde pública; saúde comunitária. 

Ada Tittoni, Secretaria de Saúde do Estado da Bahia

Enfermeira da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional pela Doença pelo Coronavírus 2019. Vigilância de Síndromes Respiratórias Agudas COVID-19. Brasília (DF); 2020.

Silva APSC, Maia LTS, Souza WV. Síndrome Respiratória Aguda Grave em Pernambuco: comparativo dos padrões antes e durante a pandemia de COVID-19. Cien Saude Colet. 2020:25(Supl. 2):4141-50.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância Sentinela de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em unidade de terapia intensiva. Brasília (DF); 2015.

Bastos LS, Niquini RP, Lana RM, Villela DAM, Cruz OG, Coelho FC, et al. COVID-19 e hospitalizações por SRAG no Brasil: uma comparação até a 12a semana epidemiológica de 2020. Cad Saúde Pública. 2020;36(4):e00070120.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Protocolo de Vigilância Epidemiológica de Influenza Pandêmica (H1N1) 2009. Brasília (DF); 2010.

Rafael RMR, Neto M, Carvalho MMB, David HMSL, Acioli S, Faria MGA. Epidemiologia, políticas públicas e pandemia de Covid-19: o que esperar no Brasil? Rev enferm UERJ. 2020;28:e49570

Croda JHR, Garcia LPG. Resposta imediata da Vigilância em Saúde à epidemia da COVID-19. Epidemiol Serv Saude. 2020;29(1):e2020002.

Niquini RP, Lana RM, Pacheco AG, Cruz OG, Coelho FC, Carvalho LM, et al. SRAG por COVID-19 no Brasil: descrição e comparação de características demográficas e comorbidades com SRAG por influenza e com a população geral. Cad Saúde Pública. 2020;36(7):e00149420.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde: Boletim Epidemiológico Especial n. 32. Doença pelo Coronavírus COVID-19. Semana Epidemiológica 38 [Internet]. 2020 set 23 [citado em 2021 fev 10]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2020/September/23/Boletim-epidemiologico-COVID-32-final-23.09_18h30.pdf

Chih-Cheng L, Tzu-Ping S, Wen-Chien K, Hung-Jen T, Po-Ren H. Severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) and coronavirus disease-2019 (COVID-19): The epidemic and the challenges. Int J Antimicrob Agents. 2020;55(3):105924.

Munster VJ, Koopmans M, Van Doremalen N, Van Riel D, Wit E. A novel coronavirus emerging in china – key questions for impact assessment. N Engl J Med. 2020;382:692-4.

Richardson S, Hirsch JS, Narasimhan M, Crawford JM, Mcginn T, Davidson KW. Presenting Characteristics, Comorbidities, and Outcomes Among 5700 Patients Hospitalized With COVID-19 in the New York City Area. JAMA. 2020;323(20):2052-9.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE: Brasil/Bahia [Internet]. c2017 [citado em: 2020 jan 12]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ba.html

Bahia. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Boletim Epidemiológico Covid-19 n. 4. 2020 mar 30. Salvador (BA); 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 454, de 20 de março de 2020. Declara, em todo o território nacional, o estado de transmissão comunitária do coronavírus (Covid-19). Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2020 mar 20. Seção 1, ed. 55F, p. 1.

Rearte A, Baldani AEM, Brabeira PB, Dominguez CS, Laurora MA, Pescel M, et al. Características epidemiológicas de los primeros 116 974 casos de Covid-19 en Argentina, 2020. Rev Argent Salud Publica. 2020;12 (Supl. Covid-19):1-9.

Vielma-Guevara JJ, Andrade JCV, Gutierrez-Pena LV. Pandemia por el Sars-Cov-2: aspectos biológicos, epidemiológicos y clínicos. Observador Del Conocimiento. 2020;5(3):57-78.

Duarte MMS, Haslett MIC, Freitas LJA, Gomes NTN, Silva DCC, Percio J, et al. Descrição dos casos hospitalizados pela COVID-19 em profissionais de saúde nas primeiras nove semanas da pandemia, Brasil, 2020. Epidemiol Serv Saude. 2020;29(5):e2020277.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde: Boletim Epidemiológico Especial n. 35. Doença pelo Coronavírus COVID-19. Semana Epidemiológica 38 [Internet]. 2020 out 14 [citado em 2021 fev 10]. Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/images/pdf/2020/October/15/Boletim-epidemiologico-COVID-35.pdf

Publicado
2021-04-07
Seção
Artigos originais de temas livres