AVALIAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MENSURAÇÃO DE MORBIDADE PSÍQUICA: ESTUDO DE VALIDAÇÃO DO SELF-REPORTING QUESTIONNAIRE (SRQ-20)

  • Kionna Oliveira Bernardes Santos UEFS
  • Tânia Maria de Araújo
  • Paloma de Sousa Pinho
  • Ana Cláudia Conceição Silva
Palavras-chave: SRQ-20, Indicadores de validade, Transtornos mentais, Sensibilidade, Especificidade

Resumo

O Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20), desenvolvido pela Organização Mundial de Saúde, tem sido utilizado para mensuração de nível de suspeição de transtornos mentais em estudos brasileiros, especialmente em grupos de trabalhadores. O objetivo deste estudo foi avaliar o desempenho do SRQ-20, com base em indicadores de validade (sensibilidade, especificidade, taxa de classificação incorreta e valores preditivos), e determinar o melhor ponto de corte para classificação dos transtornos mentais comuns na população estudada. O estudo incluiu 91 indivíduos selecionados aleatoriamente de um estudo de corte transversal realizado com população residente em áreas urbanas de Feira de Santana (BA). Entrevistas clínicas, realizadas por psicólogas, utilizando o Revised Clinical Interview Schedule (CIS-R), foi adotada como padrão-ouro. Na avaliação do desempenho do SRQ-20 foram estimados indicadores de validade (sensibilidade e especificidade). A curva Receiver Operator Characteristic Curve (ROC) foi utilizada para determinar o melhor ponto de corte para classificação de suspeitos/não suspeitos. O ponto de corte de melhor desempenho foi de 6/7 para a população investigada, revelando desempenho razoável com área sob a curva de 0,789. Os resultados indicam que o SRQ-20 possui característica discriminante regular.

Biografia do Autor

Kionna Oliveira Bernardes Santos, UEFS
Núcleo de Epidemiologia. Departamento de Saúde. Universidade Estadual de Feira de Santana.
Tânia Maria de Araújo
Núcleo de Epidemiologia. Departamento de Saúde. Universidade Estadual de Feira de Santana.
Paloma de Sousa Pinho
Núcleo de Epidemiologia. Departamento de Saúde. Universidade Estadual de Feira de Santana. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.
Ana Cláudia Conceição Silva
Núcleo de Epidemiologia. Departamento de Saúde. Universidade Estadual de Feira de Santana. Universidade Estdual do Sudoeste da Bahia.
Seção
Artigos Originais